icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Visit Berlengas

Engraçado como Portugal é um País tão pequenino mas cheio de maravilhas.

Muitas vezes viajamos para tão longe quando temos por cá tanta coisa incrível como a natureza, historia, cultura, o clima e a natural simpatia dos Portugueses.

No fim-de-semana passado foi dia para conhecer as Berlengas. Bastou-me ver uma foto no facebook de alguém para dizer “Eu quero e tenho que ir ali”.

Antes de partir pedi algumas opiniões “publicas” que não foram as melhores, o que me deixaram um pouco dividida, mas mesmo assim decidi ir ver pelos meus olhos.

Era um dia de muito sol e com algum vento, mas o mar estava tranquilo, dentro daquilo que é o normal, dizem. A coisa que mais desentusiasma as pessoas de irem às Berlengas é o passeio de barco. Podem optar por um barco mais calmo e levem 40 min, ou se quiserem aumentar a vossa adrenalina e testar o vosso estômago apanhem os barcos que demoram 20min.

Muito vento na viagem, mar picadinho, curvas divertidas e lá chegámos à ilha. Quando se chega esquece-se tudo, até os 20€ que gastou na viagem. Super simpáticos os skyppers do “Feeling Berlengas” só faltou as explicações da ilha serem mais pormonorizadas e já vão entender porquê.

A água da ilha é tão incrível quanto a de qualquer ilha do pacifico e do indico. Azul transparente de se ver o fundo ao pormenor. A temperatura é a de Peniche…doí a cabeça quando colocamos o pé. Mas quando se ultrapassa o gelo do inicio acabasse por ficar muito tempo a nadar e a ver os peixinhos. Vale a pena levar os óculos de mergulho.

A ilha nesta altura já tem bares e restaurantes abertos por isso podem levar piquenique ou comer por lá. Não sei se os preços são em conta porque só comi um gelado.

Houve uma indicação que nos deram no barco que foi “andem nos trilhos” e eu achei que era para não nos perdermos. Muitos trilhos têm uma corda que como em qualquer museu ou entrada VIP sabe-se que não se pode passar para o outro lado, quando deixa de ter corda eu achava que se podia andar livremente pelos campos….E não se pode. Pouparam na corda e eu fui quase multada com 200€.

Em lado nenhum da ilha há qualquer referência a multas, coimas, ou explicações de como devemos circular pela ilha  e os cuidados que devemos ter. Eu sou uma amante da natureza daquelas que não mata uma formiga que não apanha uma flor, mas sou também uma exploradora, gosto de conhecer coisas novas e ter a experiência ao máximo com todo o cuidado, claro. Já agora as Berlengas são Reserva da Biosfera (UNESCO)

Ora a ilha é habitada por várias, inúmeras, para não dizer milhares de gaivotas. Houve anos que tiveram que matar mais de 80.000 ovos só para controlar esta população que pode ser agressiva tipo o filme de Hitchkook “A Revolta dos Pássaros”, estou a exagerar, mas há relatos de gaivotas que atacam, principalmente quem se aproxima dos ni. Podem perceber com esta informação que a ilha é muito fértil ou elas não têm mais nada para fazer senão namorarem. 99,9% das gaivotas deitadas estão no ninho, por isso não se aproximem delas, pois por perto anda um pai…a voar e pronto a atacar.

Ratos vi uns mortos, mas nada daquilo que me disseram que havia.

Então quando saí do trilho (que não tinha corda nem qualquer aviso) fui abordada por 1 casal que ajudava a manter as regras e conservação da ilha. Coitados devem passar o dia a ameaçar pessoas porque a informação que dão nos barcos é completamente inexistente.

Existe uma plantinha muito pequenina com floreszinhas amarelas que é única no mundo e só cresce ali e pisa-la custa 200€. Coisa que ninguém sabe ou é avisado ou existe explicação em placas na ilha ou um folheto. Por mim não é pelo dinheiro é porque não quero mesmo pisa-la. Existe outra planta e essa não chegámos a ver que custa 10.000 a multa.

Quando o sermão acabou e eu dei o meu também. Fomos ao Forte passear (longa descida….maior a subida), dar mergulhos, nadar até à micro praia na falesia (onde muitas das gaivotas estão a morrer :(, o que foi bastante triste) e esperar o barco para visitarmos as grutas. 6 € por pessoa para ver umas 3 grutas, lindas mas que não paga o passeio, são 15min. Valeu pelo Guia Guilherme que foi muito engraçado e divertido, valeu porque nos levaram logo para zona principal da ilha e não tivemos que subir o forte. Foi o nosso Uber marítimo.

Toda a equipa da Feeling Berlengas foi super divertida e amorosa, só faltou mesmo uma explicação mais pormenorizada dos cuidados que devemos ter na ilha, para além daqueles que todos os cidadãos deve ter “NÃO SUJAR, NÃO DEIXAR LIXO, NÃO PERTURBAR E ASSUSTAR OS ANIMAIS”.

A praia da entrada da ilha estava cheia de pessoas e por isso nem optamos ir para lá.

Uma coisa importante a saberem é que neste momento, as Berlengas só podem receber 500 pessoas por dia, por isso marquem a vossa visita com antecedência para não perderem esta oportunidade. Vale muito muito a pena, é um pequeno paraíso. Podem dormir no forte ou acampar na ilha. No dia em que fomos levantou-se um vento gelado, por isso vão agasalhados e levem chapéu na cabeça. As visitas por norma são de 5 a 6 horas por isso dá para imensa coisa, como andar de caiaque, SUP, barco, caminhadas, comer, fazer praia, visitar as grutas entre outras coisas.

No regresso apanhámos um grupo de golfinhos amorosos que andavam de barco em barco a fazer as delicias dos turistas. A nossa tripulação foi amorosa e deixou-nos ali algum tempo até os golfinhos irem a sua vida e nós à nossa.

Ninguem enjoou, nem para lá e nem para cá e saímos de coração cheio com uma experiência incrível para partilhar

Beijinhos e Visit Berlengas

Sofia