icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

6 Erros que Cometi nos Últimos Anos

Chegámos ao final do ano e chega a altura perfeita para analisarmos o ano que passou.

Vocês não fazem isso? 

Mas eu quando o faço, analiso por um todo, vejo todas as áreas da minha vida, divido-as e começo a pensar em tudo no geral. Como está, como estava, o que mudou, o que piorou, o que evoluiu etc.

Por isso, no final de Dezembro de 2019 analiso as minhas Redes Sociais no seu todo e no geral e não podia estar mais feliz com tudo o que se está a passar e com o caminho que estou a fazer e a ligação que estou a criar convosco. 

Antes de deitar as canas e apanhar os foguetes decidi hoje, num grupo de amigos partilhar os 6 erros que cometi nos últimos anos no meu Diário de um Batom. Um resume que espelha bem o que aconteceu ao ponto de eu no inicio deste ano quase terminar com tudo por sentir que não estava a ir a lado algum.

Antes de enumerar os erros, tenho a certeza que quem me segue há muito tempo vai dar-me razão e entender a mudança que há em todas as minhas redes sociais.

O motivo pelo qual partilho convosco é porque podia se tratar de um negócio, de uma loja, de um outro projecto, de um relacionamento, de um jogo, de um desporto…do que for. Para evoluirmos, é necessário descobrir o que está errado por muito que doa ou custe. A transformação tem que ser necessária quando tudo que fazemos não está a correr bem. 

Eu sei que custa mudar tudo, mas custa muito mais acabar com aquilo que nos dá tanto prazer, aquilo que demos tanto amor durante tanto tempo.

São 10 anos de Diário de um Batom que me ajudaram em tantas coisas, agora quero que sejam muito mais para também ajudar a quem precisa.

. É importante fazermos isso para aprendermos a lidar com erros de forma a não repeti-los, para evoluir nos pontos que estão bem e afinar aqueles que podem ficar perfeitos.

6 Erros que Cometi nos Últimos Anos

1º. Quando dei o sucesso como garantido. Tornei-me preguiçosa, deixei de criar conteúdos originais e passei a fazer o que sabia fazer sem mudanças, sem inovação, quase sem amor porque se tornou tudo muito automático. Um dos grandes erros é quando nos tornamos fracos para mudar dizemos que “não dá para fazer de outra maneira”, “impossível ser diferente”

2º. Quando passei a ser demasiado “egocêntricaocarente”. Não quero que me interpretem mal, pois nunca foi convencida, nem demasiado narcisista, mas deixei que a minha vaidade dominasse as minhas redes sociais. Vaidade essa que só tinha um objectivo, ter likes para me confortar a alma. Para acalmar as minhas carências.

. Deixei que o meu lado emocional me controlasse e acabou por controlar tudo. O que escrevia, as minhas fotos, as minhas relações, os meus projectos, as minhas parcerias. Se estava deprimida, tudo estava deprimido. É muito importante termos emoções em tudo o que fazemos, mas é necessário haver um equilíbrio entre o lado racional que nos ajuda a tomar boas decisões e a ser equilibrado, principalmente em alturas de crise. No entanto o facto de ser mais racional aproximou-me muito mais das pessoas, porque me sentem mais presentes e disponível emocionalmente

4º. Entrei em pânico, desespero, quando via que todos avançavam menos eu. Comecei a olhar para os outros e a não entender porque nada corria bem comigo. Olhava tanto para eles que esqueci-me de olhar para mim. Em vez de nadar para a margem comecei a afogar.

Deixei de dar importância a quem me segue achando que bastava uma foto do meu look e uma selfie para ganhar likes e comentários. Calma… Eu sempre fui muito simpática com os meus seguidores e muito generosa, mas como tudo se tinha tornado automático, eu deixei de lhes dar o que precisavam…conteúdos pertinentes e interessantes. Por isso desligaram-se de mim. Não havia dialogo entre nós, nem interesse. O amor tinha acabado. É como aquelas páginas de hotéis que colocam tantos anuncios e promoções que uma pessoa nem encontra as fotos do hotel para saber se vale a pena ir.

6º. Vitimizei-me…comparei-me…tornei-me ciumenta…e triste

E foi esta a analise que fiz do meu passado que achei importante partilhar convosco, porque quem sabe vocês conseguem-se se rever em alguma ponto e começarem a mudar já para 2020.

Amanhã ou depois escrevo o que tudo mudou nas minhas redes sociais e porquê mudou?! O que fiz eu para estar tão orgulhosa e cada vez mais próxima de vocês? 🙂

Faltam poucos dias de entrarmos no ano novo e este ano entro confiante de que tudo tem pernas para andar e de que as nuvens negras que antes faziam parte dos meus dias já estão bem longe de mim :). O sol nunca deixou de lá estar apenas estava tapado com demasiada poluição ~~

Beijinhos enormes

Sofia

Os Meus Cartões de Natal

Olá Bom dia, como foi o vosso Natal?

O meu foi muito especial. Tive a sorte de passar em família, no quentinho da casa dos meus pais. rodeada de muitos doces e tradições.

E por falar em tradições quero partilhar convosco uma tradição que faz parte da minha pessoa desde que me conheço. Por muita que seja a azafama nesta altura do ano, ou a tristeza (recordando outros “Natais” em que me sentia perdida e sozinha), ou mesmo com as novidades da minha vida eu arranjo sempre tempo (nem que não durma) para criar e fazer os Cartões de Natal que acompanham cada presente que ofereço.

Custa-me arrancar pois acho que já fiz tudo o que poderia fazer (ver cartões dos outros anos: 2018, 2017, 2016 , mas depois quando começo, difícil é pararem-me! Quantos mais tiver para fazer melhor.

Para o ano vou precisar de uma bancada maior, mais organização para conseguir melhores resultados e não ter durante 2 semanas a mesa de jantar cheia de fitas, cola, tesouras, papel de feltro, etc.

Deixo-vos agora as imagens dos Cartões, espero que gostem e que vos inspirem a fazer o mesmo ou no próximo Natal ou quando quiserem dar algo muito pessoal a uma pessoa que vos é importante.

Beijinhos e Boas Festas

Sofia

Ps. Os suspiros “Ai Ai” também foram feitos por mim