icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

2º dia na Corunha

As princesas precisavam de dormir e no Sábado acordaram tarde e deu-lhes uma preguiça gigante para se levantarem. As camas do Ibis Styles – AccorHotels não ajudaram, porque eram boas como tudo.

Depois ficamos na conversa no pequeno-almoço a comer como se não houvesse amanhã, até porque ele é servido até ao 12h00, óptimo para quem não tem muita pressa. A muito custo e com muita calma saímos do hotel às 13h para começar a nossa exploração.

Éramos as únicas no autocarro por isso fomos género visita guiada pelo condutor. Deixou-nos numa praia entre rochas, ali perdida na costa. Era estranha a zona, mas o mar era lindo, limpo e transparente. A Ana ficou a dormir e eu a explorar e trepar as rochas. A água estava boa, mas cá fora estava vento e nem sempre calor. Não quis saber, amanhã iria arrepender-me de não ter dado um mergulho, por isso dei e valei todo o frio que tive depois. Loucura de água, transparência, momento. Foi Mara e soube-me pela vida.

Arrancámos e fomos visitar a famosa Torre de Hércules. Mesmo ao lado havia outra praia maravilhosa, já com ar de praia. com areia, água transparente, muito tranquila, com algumas pessoas mas nada demasiado povoado. A única coisa que faltava era uma esplanadinha…começávamos a ficar com muita fome e principalmente sede

Ficamos por lá ainda e só mais tarde fizemos a longa e dura caminhada até ao Torre. É linda a vida!!! Infelizmente com todos os atrasados decidimos não subir na torre até porque já eram 18h e ainda nem tínhamos almoçado.

Estava nesse momento há 5 horas sem wi-fi e na realidade não me estava a custar nada. É uma dependência que quero mesmo largar.

Fomos a pé ver os Menhires e tentar encontrar algum sitio para comer. Teniamos mucha hambre tio!

E finalmente comida e finalmente wi-fi e finalmente água e finalmente um lugar para sentar depois de 7 km a pé e ainda, mal sabíamos nós tínhamos mais uns tantos pela frente, pois ainda nos faltava a Cidade Vieja e quem sabe algumas compras.

Não sou pessoa de horários e irrita-me muito aquela coisa de se ter que comer e dormir e fazer tudo a determinada hora. Sinto-me um pássaro livre que faz o que lhe apetece, felizmente a minha companheira era igual.

Em Espanha é fantástico porque há sempre algum sitio que nos serve até tarde e há sempre coisas tão boas para se comer.

O nosso dia acabou com enorme passeio num dos jardins da cidade à 1 da manhã, depois do jantar no “Alma Negra” porque estávamos cheias. Sem medos, sem receios numa cidade muito segura e tranquila e que nos recebeu tão bem.

Beijinhos vejam as fotos da viagem

Calções – Lefties

Sandálias – NHM – Heróis da Nazaré

Bikini – Geko Bikinis

Sofia