icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Sinto um Vazio dentro de mim, menos na minhas Coxas

Na 5ª feira pesei-me no ginásio…não sei se fiz bem…mas nasceu uma raiva, um medo, uma angustia dentro de mim. Não sei se havia de gritar, chorar ou simplesmente começar a correr e nunca mais parar até perder os kilos que ganhei a mais.

Estou com um peso que nunca na vida teria me atrevido a ter. Eu sei que não estou gorda, mas tenho a certeza que estou mais gorda e se pensarem bem temos que começar por algum lado e eu já comecei por todos, barriga, coxas, braços, peito. Até os pés estão mais largos. Tristeza Sofia Inês Novais de Paula como te deixaste chegar a este estado.

O que umas poucas graminhas a mais podem fazer, para além de todos os outros males, tais como não caber na roupa antiga o que é uma constante alarme (bang bang, estás gorda ainda não percebeste que não vais caber nessas calças?!”….Bang Bang….jura que achas que vais sair de casa com esses calções?!”, “o decote vai explodir?! podes dizer-me a que horas, para eu sair da frente?!”) ou os comentários de quem nos vê “estás mais gordinha, mas estás optima, não te preocupes!”, “Uau fizeste aumento de peito?!”, “estás a concorrer a um Reality Show ou achas que és da família das Kardashian?”.

Não sei quem o que é pior a pressão dos outros ou a minha. Tornei-me paranóica e obcecada pelo meu peso ao ponto de ter que comer para esquecer. Neste momento acho que até o ar me engorda, as gotas das lentes me fazem inchar e não há desporto no mundo que me faça gastar calorias e a drenagem tira-me inteligência em vez das toxinas.

Tornei-me a minha pior inimiga, apavorada com o que me posso fazer a mim mesma e de começar a ter uma nova linha no meu CV. Passei a linha dos 40 e estou na altura perfeita para mudar de corpo e ter uma tendência que cada vez mais, vai ser dificil de controlar.

6ª feira procurei um dos meus amigos mais controlados com o corpo, alimentação, desporto etc e fiz um desabafo e parece que vomitei parte da loucura que se tinha colada nas paredes do meu corpo.

Desde sábado que me sinto mais tranquila, mais calma, menos obcecada. Fiz a minha vida normal e ainda fui à praia mostrar a minha nova silhueta. Claro que me incomodou estar branca e mais roliça, mas não quis saber, é como estou e não me vou esconder, nem abdicar de nada. Não vai ser de agora que vou ter vergonha de mim, ou melhoro ou acostumo-me o importante é ser feliz, mesmo que uns numero a cima.

Para além de estar mais tranquila passei a treinar em casa,. Salto à corda 5 min intercalando com agachamentos, abdominais, prancha, flexões etc. Saltar à corda queima imensas calorias e é muito completo pelo movimento. Mais do que uma vez por dia e os passeios com os cães passaram a durar 20 a 30 min.

Estive muito controlada todos o fim-de-semana a nível de alimentação e sem ataques ao frigorífico, despensa, garagem, supermercado, vizinhos, lixo…parece que baixou uma nova pessoa dentro de mim.

Será que é desta que consigo matar os vícios antigos que se camuflaram em bolachas recheadas de chocolate, bolinhas de chocolate com amendoim, batatas fritas (é melhor parar por aqui, estou a começar a babar e quando chego a casa é a hora mais critica do dia).

Vamos ver, tenho tudo para dar certo como tenho tudo para dar errado, a certeza estará sempre em mim e nas decisões que tomo. Domingo almocei fora e pedi salmão grelhado (só não menciono o pão com manteiga que comi antes porque não quero estragar o post).

Obrigada Dinora Bastos por acompanhares a minha loucura. Quem sabe te ajudo a entender outros pacientes que estão a passar o mesmo deserto que eu. Continuas a ser a melhor nutricionista, apenas fui eu que falhei comigo mesma.

Obrigada Carlos Filipe pela paciência que tens tido comigo, nestes últimos dias. O teu controlo, a tua determinação, o teu exemplo têm-me ajudado imenso.

 

Leiam este artigo que o Carlos enviou-me ajudou-me imenso a entender o que estou a passar.

http://lifestyle.sapo.pt/saude/peso-e-nutricao/artigos/contrariar-a-fome-emocional

Beijinhos

Sofia