icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Em busca do riso perdido 

Hoje, enquanto ria descontroladamente no cinema lembrei-me de uma história que podia ter um final triste mas teve um final feliz 

– Era uma vez uma menina que perdeu o riso. 

Ela era uma menina normal e feliz, sempre bem disposta e pronta para fazer todos rirem. 

Uns anos mais tarde mudou de escola e a meio do ano teve uma turma nova, professores novos e colegas novos. 

A sua boa disposição não mudou por isso em pouco tempo começou a fazer novos amigos e a encher o espaço com a sua Felicidade. 

Mas apesar de todos, aparentemente gostarem Dela, o seu riso deixava de ser contagiante e passava a ser incomodativo. 

Aos poucos a diversão passou a gozação e pediam para ser rir em silêncio. “Não faça faças barulho a rir”‘”não sabes rir como uma pessoa normal?”

Para não incomodar, a menina engolia as gargalhadas enquanto tapava a boca com a mão. 

Uns anos mais tarde, já na universidade a menina, a fazer-se mulher foi interrompida a meio de um ataque de riso mudo por uma colega: “o teu riso não tem som, tu ris em Silêncio”. 

Ela tinha-se esquecido, não tinha dado conta e achava que ninguém se iria aperceber que o seu modo de rir parecia mais  saído de um filme mudo do que de uma comédia.

Teve vergonha e mais do que isso sentiu-se a definhar.

Ao longos dos anos rodea-sende pessoas que sabiam rir, de pessoas que riam com gosto é das que choravam a rir. Os Sons entravam e saíam de dentro de si e as emoções saltavam por todos os lados, mas sempre que abria a boca para rir não saia som….era vazio… como se nem fosse sentido ou achasse piada. 

Como se fazia para rir? Era mais fácil falar e cantar do que rir

E o mais irónico de toda esta história é que a menina em questão fazia todos rir com a sua maneira de ser; a sua piada natural e as suas histórias hilariantes. Era capaz de fazer uma alface rir mais alto que ela. 

Durante a sua depressão e já em fase de recuperação e ascensão, ela lembrou-se de que talvez para além de salvar a sua dignidade e força de viver, conseguisse encontrar o riso perdido! 

Hoje sentada na sala de cinema descontroladamente a rir, enquanto as lágrimas escorriam-lhe pela cara e as gargalhadas espalhavam-se pelos rostos dos estranhos que a rodeavam, só porque a amiga caiu no colo de uma senhora sentada na fila ao sair para comprar pipocas, é que me apercebi-me que o tinha encontrado, que ele existe dentro de mim e que é livre como eu sou e que tem tanta vontade de viver e de ser partilhado pelo mundo e que está  pronto a explodir a qualquer momento e fazer-me pensar que sou a pessoa mais feliz do mundo porque eu sei rir!!! 

Beijinhos e que ninguém vos faça perder a vontade de rir

Sofia