icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Já Posso Respirar de Alivio.

Como vos escrevi na semana passada, nos últimos 3 meses tenho vindo a ler um livro que mudou completamente a minha maneira de estar e de olhar para vida – ver artigo aqui. Tornei-me uma pessoa muito mais positiva, focada e despreocupada.

Em Agosto fui ao ginecologista e ele reparou (coisa que eu também já tinha reparado em casa)  num alto novo no peito. Apesar de ter tendência para ter quistos fico sempre apreensiva, para não dizer apavorada.

Sai de lá outra pessoa, muito em baixo e com medo e a pensar mil coisas parvas. Hábitos do passado de pensar logo no pior cenário e ainda nem sei se tenho algo de grave. Entrei no carro e para agravar tive uma discussão com um amigo, pelo telefono Foi literalmente um dia de merda e para esquecer. Cheguei a casa de rastos, já nem sabia se estava triste pela discussão e pela possibilidade de ter perdido um dos meus melhores amigos ou se pela insegurança do alto no peito.

Fui para o meu curso de nutrição da Danah e depois fui patinar sozinha e aproveitei para pensar na vida e em tudo o que livro me ensinou. Apanhar ar na cara e gastar energias é muito bom.

Um dia de cada vez, pensar e preocupar-me apenas quando for altura para me preocupar. Disse para mim mesma, a partir de agora vais estar normal, não vais contar a ninguém e só vais pensar no pior caso se saiba do pior.

Andei uns dias para marcar os exames e só marquei para depois da minha viagem aos Açores. Não queria ir de férias com uma má noticia caso fosse o caso. Até hoje vivi bem, feliz, satisfeita, cheia de planos e emoções. Todos os dias para mim são uma vitória, um motivo para festejar por tantas milhares de coisas que tenho.

Nestes meses só chorei um dia, quando pensei que se ficasse doente ou se algum dia me acontecesse algo que impossibilitasse ter uma vida normal o que seria da minha blush e que provavelmente teria que a colocar no canil ou da-la para uma nova família (as outras ficariam com os meus pais) mas sim dei por mim cheia de medo por ela a pensar que iria sentir-se novamente abandonada e para mim os meus cães são tanto na minha vida.

Para tornar o desafio mais complexo, não me preocupar antes de tempo, fui convida para muitos eventos relacionados com o cancro na Mama (alias estamos no mês, referente ao mesmo). Em todos os filmes que vi ou séries havia sempre um episódio referente, ou alguém tocava no assunto, parecia que havia aquele…sinal…mas que eu dizia para mim, é só coincidência e se for um sinal na altura saberás como sobreviver e lutar como milhares de pessoas já o fizeram e o estão a fazer.

Tentei não tornar a minha preocupação superior a qualquer problema real no mundo, faço-me entender?

Hoje foi o dia dos exames, moinha na barriga, algumas náuseas e desconforto na sala de espera. Estava com medo e desconfortável, mas tive até ao ultimo segundo a distrair-me com mensagem (apesar de ninguém saber onde estava) de amigos, whatsapp e lá foram passando os minutos, sentada num corredor com uma bata azul.

A mamografia foi dolorosa ao ponto de terem que trocar uma peça na máquina. Disse-lhe que não estava a conseguir tolerar a dor. Mas depois respirei fundo e consegui. Mas o que custa mais é estar deitada ao lado de um médico com uma sonda a vascular tudo no nosso peito. A cada expressão na cara dele, ou clique do rato na imagem eu pensava “pronto descobriu algo”. Pensei umas 10 vezes perguntar-lhe…encontrou alguma coisa, mas respirei e tentei concentrar-me em nada e acabei por divagar pelos apitos dos whatsapp que os meus amigos continuavam a enviar”

“Não tem nada para além dos quisto, pode estar descansada e repetimos os exames daqui a 1 ano!”” Confesso que chorei um bocadinho e dancei a dança na vitória ainda deitada na marquesa…que alivio. Vesti-me e abri a porta que dava directamente para o corredor onde outras mulheres aguardavam para fazer o exame. Todas olharam para mim entre o medo e ansiedade. Disse-lhes que estava tudo bem comigo e desejei-lhes muita força para os seus exames e que esperava que as noticias fossem igualmente positivas.

Chorei mais um bocadinho e agradeci muito enquanto vestia-me e liguei logo para a minha mãe para dar as boas noticias.

Eu sei que o escrevo é basicamente o que todas as mulheres maduras já passaram. Umas fizeram a dança da felicidade como eu, outras infelizmente (e os homens também), o mundo deve-lhes ter caído naquele momento em que receberam a noticia.

Infelizmente ninguém está livre de ter cancro e por muito cuidado que se tenha nunca saberemos o destino. Enquanto cá andamos é bom ter cuidado com a alimentação, evitar ter vícios e ser feliz, muito feliz porque nunca se sabe o dia de amanhã.

A mensagem que quero deixar aqui é aprenderem a lidar com as noticias e dar-lhes o devido grau, peso e valor Dramatizar antes de tempo só ajuda a piorar a tornar o medo uma constante e a vida num inferno. Preocupem-se quando tiverem que se preocupar a vida é muito mais importante que isso. Há males que nunca vamos conseguir evitar, mas há tantos bens que podemos e devemos agradecer diariamente. Ser feliz é isto e é tão simples.

Beijinhos enormes para vocês e um maior ainda por quem está a passar pela luta pelo cancro ou qualquer doença.

Sejam felizes e mais humanos

Sofia