icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

O Meu Carrinho

Há 2 anos precisei trocar de carro e comecei uma busca que acabou por demorar um bocadinho mais do que eu estava à espera, mas que veio a valer tanto a pena.

Estava apaixonada pelo Captur, mas não conseguia decidir-me pela cor, ora queria o vermelho, ora o laranja ora passava um cinzento e eu voltava à estaca 0. Algo um bocado estranho e que parece básico, mas sempre tive carros com cores que não gostava, como meu ford focus azul estranho, ou todos os cinzentos metalizados. Por isso a cor transformou-se num foco que me impedia de tomar uma decisão básica.

Depois veio o Clio carrinha vermelho e foi amor à primeira vista. Aquele vermelho cereja arrasava na estrada e no meu coração, mas quando sentei-me para fazer o test drive não tive emoções, não senti nada. dentro do carro não me imaginava a conduzir para lado algum. Então voltei novamente o meu foco no o Captur até que o meu pai chamou-me (nós trabalhamos juntos) e disse porque não vai ver o Peugeot 2008?

Reacção típica de filha que quer tomar decisões sozinha “Pai estou farta de andar a arrastar isto do carro e não tomar uma decisão, por isso eu não vou ver mais nada e fico com o Captur”…

Sentei-me no meu gabinete e pensei “se alguma coisa acontecer ao carro vou sempre ouvir a voz do meu pai “Eu bem disse para ver o outro”!”.

Sai do escritório e fui ao stand da Santogal Lisboa e lá estava ele. Vermelho, brilhante, alto, dinâmico e completamente à minha espera. Pedi para conduzi-lo e foi assim uma sensação demasiado boa. O conforto dos bancos, o painel super giro, a condução fantástica, tínhamos sido feitos um para o outro (e já agora o mesmo vim a sentir pelo 3008 e ainda mais pelo 5008 de 7 lugares). O carro tinha tudo e posso mesmo dizer que foi amor e condução à 1ª vista. O que estava a demorar uma eternidade é porque não tinha que ser. Continuo a achar o Captur lindo, continuo sem conseguir decidir qual a cor mais gira mas estou muito, mas muito feliz com o meu Peogeot 2008.

Decidi escrever este texto quando estava nas férias no Alentejo. Tinha acabado de descer, subir montes, estradas de areia, vales e sabes lá o quê e o que o carro não me deixa mal. É fantástico e acompanha-me em todas as loucuras que faço. Já para nem falar do conforto dos bancos eu não me sinto cansada, torta, com dores depois de uma longa viagem e já fiz com ele 6 horas de seguida e sentia-me igual.

Tinha que partilhar isso convosco. Pode ser que andem à procura de carro e que seja uma boa solução.

Já agora optei por gasolina porque para os km que faço não compensava gasóleo. Como sabem o preço do gasóleo está cada vez mais igual ao da gasolina. E sinceramente eu que ando constantemente de um lado para o outro não me sinto roubada com o que pago, com o consumo e se colocar na Repsol ainda tenho um desconto no preço final (se encher o depósito dá 2 € de desconto).

Experimentem, passem na Santogal Lisboa (Rua Dom Luís de Noronha, 40, falem com a Cláudia Sofia Guedes (918137349), digam que vão da minha parte

Beijinhos

cof
cof