icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Troca de Roupa no Alfa a caminho do Porto

Tive que mudar de roupa no comboio, sentada no meu lugar.

Quando mais à vontade fizermos estas coisas menos as pessoa notam.

Mas tenho uma blusa linda de seda, muito fininha que me fazia subir a saia justa que trazia. Em cada passada que dava…ui…medo, de 5 em 5 metros tinha que parar para a descer e estava a tornar-se super desconfortável. É horrivel quando saimos de casa maravilhosas, mas no meio do percurso notamos que a roupa não é confortável.

O mal é quando experimentamos em casa, nada acontece, primeiro porque ficamos imoveis e depois porque quando andamos aparentemente está tudo bem.

Felizmente como sai indecisa entre 2 saias, trouxe a outra na mala e discretamente, vesti por cima da que trazia. Baixei a outra e guardei-a na mala. Ainda consegui colocar os calções elásticos nude, caso esta levante voo…não estou nua.

O soutien também mudei por um biquini largo, porque nos movimentos, notava-se, mas isso, já o fiz na casa de banho…calma…não tenho assim tanta lata e à vontade, há limites.

Mas agora sinto-me bem com todo o look com ar indiano e tenho a certeza que já não vou ouvir os comentários que ouvi esta manhã na Estação do Oriente…que eram muito bonitos enquanto eu caminhava de frente e a saia ainda estava no lugar certo e tornaram-se um pouco mais atrevidos quando passei a estar de costas e a saia a subir como se não houvesse amanhã lol. Como estava a passar por um grupo de 6 homens nos ditos comentários a ultima coisa que queria fazer era parar e puxa-la para baixo. Então respirei fundo e caminhei segura de mim, mas de olhos fechados a pensar “que vergonha, preciso de um buraco para me enfiar”, neste caso, seria o comboio para me mudar.

Tenho a certeza que muitas de vocês já tiveram este tipo de experiência de sair de casa com algo que vos faz sentir muito desconfortável, como uma peça transparente, roupa pequena, etc.

Beijinhos

Sofia