icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Mas que Raio de Amor é Esse?!

Ontem estava a espumar, mas felizmente dormi e a coisa já não está tão violenta, mas continuo a ouvir barbaridades sobre o facto de eu estar solteira.

Continua a existir uma mentalidade medieval com tendência às cavernas que

me deixa possuída. O homem escolhe a mulher, aponta “és tu” e ela segue o seu caminho para casa com ele, ou pelo seu pé ou arrastada pelos cabelos. Mas a escolha é dele, se ela quer é indiferente. Estamos a falar de uma mulher muito clássica, dona de casa a puxar para a fada do lar, muito elegante, que faz pouco barulho até no momento do auge, que só sai de casa para comprar alimento para o homem e o convívio com as amigas (escolhidas por ele) é feito dentro da sua casa acompanhado por uma chávena de chá e bolachas feitas por ela. É isto que a sociedade procura?!

Dizem-me coisas do género “já pensaste que estás sozinha pelo estilo de vida que tens?!”. E eu pergunto? o estilo de vida de vagabunda, ladra, drogada, bêbada, delinquente?! É que se for este eu até entenderia que não é lá muito sexy ter uma namorada assim….mas será que é pelo facto de eu ser divertida, gostar de dançar, de ter bom sentido de humor, adorar desporto, aventura, ser boa companheira, gostar de mimar, vestir-me bem, cuidar de mim, gostar de proporcionar experiências fantásticas, ser uma boa amiga, será que fica a faltar alguma coisa?! Ahh espera se calhar o facto de eu gostar de trabalhar ou até ter um blog é o suficiente para um homem perder o interesse…”esquece aquela trabalha…e pior…gosta!”…Loucura das loucuras e pergunto-me, em que século vivemos?!

Depois falam-me da minha exposição, da minha notoriedade como se eu fosse uma super star famosa, impossivel de andar na rua. Como se tivesse paparazzis atrás de mim a fotografar com quem estou e onde estou para ser capa de revista. Como se eu tivesse a minha vida género Truman Show em que tudo o que faço é obrigatório partilhar nas minhas redes sociais… please menos, muito menos!

Então que raio de amor é esse em que alguém primeiro se apaixona pelo estilo de vida da outra pessoa e depois pela pessoa. Ou quando ama de verdade deixa-se de lutar por esse amor por uma questão de conservantorismo? Mas é assim que alguém espera amar de verdade e ser amado, mudando o outro? Ou começo já a mudar para ser mais fácil desencalhar?! É que eu não me sinto encalhada, muito menos desesperada ao ponto de começar a ser uma pessoa que não sou. Já me estou a ver a criar um questionário online para fazer uma estatística e mudar o nome do Blog “Diário de uma Mulher como um Homem quer”:

  • Gostas de uma mulher caseira ou de uma que gosta de se divertir?
  • Gostas de uma mulher que cosa as meias ou que te compre umas novas?
  • Gostas mais de uma mulher com pêlos ou depilada?..

E quando alguém me diz….cuidado que esta é deliciosa “por causa dos teus animais ninguém te pega” (te pega….juro que já me disseram várias vezes). Mas quero lá eu estar com alguém que não sinta o mesmo carinho pelos animais como eu sinto. Que não entenda que eles são família para mim, que irei continuar a salvar as gaivotas, as abelhas e até os burros que se atravessam no meu caminho, sejam eles de 2 ou de 4 patas. Para mim a compaixão é geral e cada vez mais universal, por isso não interessa a raça, a espécie, o momento, o dia, que eu irei sempre continuar a ser assim.

Depois há a questão dos filhos e da minha idade avançada, 41. A sugestão de algumas pessoas é apressar-me para não perder a oportunidade! “Despacha-te! olha que está a ficar tarde! Como se eu não soubesse, mas ter filhos para alguns deve ser igual ao apanhar a carreira, ou ir ali ao talho comprar chouriço ou tão rápido como plantar couves…, escolhes um bom terreno, fazes um buraquinho, colocas a semente e esperas 9 meses e pronto tens um filho. Nem precisas de te preocupar em gostar do pai, esquece o conceito de família, está ultrapassado, e contas e logo se vê…inscreve é já couve no infantário para ter vaga porque as alfaces entram sempre primeiro.

É por estas e por outras que sozinha e solteira, vou reparando na infelicidade dos casais, das pessoas que não conseguem ter vida própria, que não se respeitam, que namoram umas com as outras só paras as poder mudar e porque não conseguem estar sozinhos. Nos solteiros que não conseguem viver consigo mesmos e procuram alguém só para fechar um vazio, que na realidade nunca chega a fechar, ou nos solteiros que não sabem o que querem que andam a magoar todos por quem passam, porque ser sincero dá muito trabalho e pode ser chato.

Sou muito irónica e dura neste texto, mas eu vivo num Mundo diferente. O Mundo de Sofia é feito de pessoas genuínas, que sabem o que querem, que são limpas de alma, seguras de si e que não precisam de mudar ninguém. Podem sofrer como tudo, mas sofrem porque amam demasiado ou porque se entregaram a alguém que não as merecia. Amam de corpo e alma e não deixam nada por dizer. Falam com o coração e a boca é apenas uma interprete das palavras e mas é a causa de todos os beijos. As mãos são aquelas que seguram em caso de ajuda, mas também as que entrelaçam no passeio. O abraço é o que protege, mas que apertado une os 2 corações.

Sou louca, porque vivo, porque sinto, porque gosto, porque nunca morro do que não tenho ou do que não tentei. Quero tudo e tenho tudo e no mesmo sentido é a única maneira de ter alguém novamente na minha vida. Até lá, posso fica sozinha mais 1000 anos que vou sempre preferir estar assim do que pessimamente mal acompanhada.

Beijinhos enormes e bom-fim-semana

Sofia