icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Falta de Civismo enlouquece-me

Eu sou uma pessoa muito pacifica e tranquila, mas se há uma coisa que me tira do sério, que me revolta e confirmo que quase me torno violenta (isto porque não bato em ninguém, mas na minha cabeça há toda uma cena de pancadaria a decorrer, em que espanco aquela pessoa com rotativos estiloVan Dam) é falta de Civismo.

As pessoas são sabem viver em Sociedade e pior de tudo não querem aprender, podendo até garantir que há pessoas que se comportam como autênticos selvagens.

Hoje a sair do IKEA, estava na fila para o elevador e mesmo sabendo que ele é enorme e espaçoso, acho que tem que haver um respeito pela ordem de chegada. Uma senhora que chegou depois de mim num carrinho das compras, estava toda decidida a ser a 1ª a entrar. Colocou-se de lado e nem quis saber quem tinha chegado primeiro. Comecei lentamente a prever e a ferver, mas mantinha-me calma e tranquila.

Quando as portas abriram-se pimba…meu dito meu feito…a Senhora foi a primeira a entrar (quando havia 2 pessoas à sua frente), mas pior que isso, entrou e deixo o carro de qualquer maneira dentro de elevador e nem olhou para trás para saber quantas pessoas estavam para entrar, ficou no meio, de lado e de costas para o mundo. Nessa altura, na minha cabeça já a tinha atirado contra a parede e a tinha levantado pelos colarinhos, até que olhei para trás e um senhor tentava sozinho entrar com um carrinho de cargas e a sua mulher numa cadeira de rodas que também era empurrada por ele.

Graças aquela anormal o Senhor não conseguia entrar e estava a tentar manobrar 2 coisas complicadas. Quando vi a situação, agarrei no carrinho da mal educada e disse “Olhe, eu vou por isto aqui!” e atirei com o carrinho dela para o fim e canto do elevador e ajudei o senhor a entrar.

Aquele elevador é longo demais para eu estar a pensar e perdida nos meus pensamentos errados de tamanha irritação, o rotativo estava quase a sair…estava na fase dos pulinhos.

Quando finalmente chegámos ao -1 ajudei o senhor a sair e entalei a outra de forma que fosse a ultima a sair do elevador. E esta cena deixou-me tão irritada ao ponto de a ter que a escrever.

Na realidade vivemos uma vida individual mas que deve ser vivida em sociedade. Temos que nos respeitar e não temos que aturar a malcriadice dos outros, a sujidade, a imoralidade, os egocentrismos, as irresponsabilidades, etc. O mundo tem espaço para tudo e para todos e quanto mais consciente formos disso mais partido tiramos do que ele e as pessoas nos dão. Em nossa casa somos livres de fazer o que nos dá na gana….na rua temos que ser civilizados

Lembro-me quando estive de canadianas durante 2 meses, não queria acreditar como as pessoas eram brutas, estúpidas, passavam-me davam-me encontrões, não me davam prioridade a nada, é como se não existisse e sempre pensei o que será viver com limitações com este povo que acha que tem prioridade em tudo. Até nos lugares de estacionamento para pessoas “prioritárias” os egocentrista acham que estão a falar com eles!!! É preciso ter lata

E quando digo isto, acontece o mesmo nas Estradas. As pessoas criaram as suas próprias regras de transito, esqueceram-se que o pisca não é uma luzinha de Natal, etc. Vivem em sua função, das sua prioridades, vontades e regras. E não respeitam ninguem e por isso há acidentes, porque a maior parte não respeita as regras.

Ou como por exemplo nas escadas rolantes, em que ficam na conversa e esquecem que do lado direito é para descanso e o esquerdo é para quem tem pressa. Aqui não!!! As escadas rolantes é o que bem nos apetece!! Até podem ir pendurados e de preferência sem deixar passar ninguém.

É como dizer “Bom Dia” e “Boa Tarde” e ninguém responder! É agradecer e não ouvir um “de nada”, é nem sequer agradecerem….é triste

É por estes pequenos acontecimentos, que eu considero enormes, que acho que estamos cada vez mais a ser um povo subdesenvolvido ao contrário de estarmos a evoluir. Chegámos ao cumulo de quase sermos comparados à “Republica das Bananas” que é uma marca giríssima excelente de roupa, mas que definia o que era viver numa selva, quando se queria dizer que um pais era de 3º Mundo.

Fica aqui o meu contributo, para algo que adorava contribuir ainda mais, que é uma sociedade harmoniosa, respeitosa, unida e feliz.

deixo a dica que de se deviam fazer cursos de viver em sociedade, alguns obrigatórios e outros impostos cada vez que tivessem uma conduta errada para com os outros. As multas pagam-se…..

Beijinhos

Sofia