icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

A Protegida mas Mal Amada

O mundo é cheio de coisas inexplicáveis e uma delas, sem dúvida é a minha vida e a relação que tenho com os homens.

Daria para escrever um livro, ou melhor, Vários!!!

Quando digo isto é longe de ser tudo mau. Tenho aprendido muito com eles e sei que fiz amigos para a vida. Mas é sem dúvida uma viagem que dúvido que muitas mulheres tenham tido esse privilégio e azar como eu tive.

O que mais me intriga nestes relacionamentos é o contra senso do que dizem e do que fazem. Mesmo sem pedir honestidade total, sinto que a mereço, porque a dou. A honestidade é uma consequência do respeito, logo uma coisa implica a outra.

(Um parêntesis neste texto). Estou a escrever sobre relacionamentos, mas nada aconteceu para tal, são coisas que penso e que acredito que partilhando outras passem a fazer sentido. Também sou uma pessoa curiosa e existem sempre as minhas dúvidas existênciaias sobre coisas que aconteceram no passado, as do presente, dos que fizeram tal e até hoje não sei o que aconteceu? o que fiz de errado? porquê não voltaram a ligar? ou porquê o entusiasmo passou a ser silêncio?

Uma coisa é certa, não ando atrás de quem não me quer. por muito que me custe. Impingir-me é que não?! Nada pior do que uma mulher rebaixar-se pelo amor ou atenção de um homem. Não querem mais, eles é que perdem. (Esta minha segurança não é assim tão óbvia no dia, durante uns tempos tento-me convencer disso mas na realidade ando nos cantos a cortar pulsos. Depois lá chega o dia em que avanço e não quero saber e não olho para trás. Mas também depende muito do homem em questão e da intensidade da coisa).

Entretanto já me estou a afastar-me do que ia escrever e já estou a aproximar-me do tema seguinte.

Muitas das minhas dúvidas, solucionadas com a ajuda de outros homens e de ex-casos que acordaram em dizer a verdade, é o facto de alguns homens (vou frisar para não ficarem todos nervosos), “alguns homens”, as suas atitudes não corresponderem às suas palavras. Faço.me entender?!

Por exemplo:

“Amanhã ligo-te” – Nunca mais volta a ligar

“Gosto tanto de ti e de estar contigo” – É apanhado com outras…e reage como se nunca nos tivesse visto

Por exemplo, apesar da minha atitude independente, confiante e até desprendida de afecto (finjo tão bem) é recorrente dizerem-me que gostavam de tomar conta de mim, proteger, mimar, dar carinho…mas assim do nada. Sem pedir, sem interesse, sem ter casos ou afectos. São desabafos espontâneos, surgidos dos nada de algumas pessoas para mim.

Há uma certa delicadeza, romantismo nelas, até porque quem as diz, provavelmente viu-me para lá da máscara e isso da-me segurança, conforto e quase vontade de me deixar levar. Mas, depois acordo, abano a cabeça, volta tudo a ficar no lugar, agradeço e sigo em frente.

O inexplicável para mim, é como o “sexo” que mais bem me quer, é aquele que mais mal me fez e ainda faz? Como se explica isso, alguém sabe?

Faz sentido? É comum? é tácita? Alguma vez poderá ser verdade?

Uma coisa digo-vos ser carente “SUCKS”, tira-nos as defesas, os alarmes, os sensores, os detectores, as respostas e as reacções.

Beijinhos

Sofia, a protegida mas mal amada