icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

20 Longos Minutos

Hoje acordei super bem disposta, fiz a minha meditação matinal. Cheguei relativamente cedo ao escritório e apesar ter alguma fome, porque tinha que ficar 4 horas em jejum e 2 horas antes ainda estava na cama, estava bem tranquila.

Ainda consegui ver os emails e tratar de algumas coisas antes de ir fazer a minha

Ressonância Magnética ao Joelho.

Continuava muito feliz e bem disposta e isso vê-se pelo nível do meu sentido de humor e a ter necessidade de fazer piadinhas a tudo. Uma característica um pouco infantil eu sei, mas que não consigo controlar lá muito bem.

Chego ao Centro e pedem-me para despir e para tirar tudo o que tivesse metal. Começa o descasque, pior que aeroporto, não se pode esquecer de nada!. Tiram-se fotos com o look da bata, ah ah ah muito animadinha ainda.calçam-se os sapatinhos de plástico…

Entro na sala onde está uma máquina gigante e a menina, um pouco rebiteza, pede-me para deitar, ajeita-me na distancia pretendida e começa a fazer as recomendações:

“Não se pode mexer, caso contrário tenho que repetir o exame”, “Vai ouvir um barulho muito alto, por isso coloque estes phones”, “Volto a repetir tem que ficar imóvel!”, “coloque os braços ao longo do corpo e em caso de urgência e aperte esta buzina que todo o Hospital ouvirá o alarme!”….”Volto daqui a 20 min”….

Tranquilo, tudo controlado na minha cabeça. Phones é porque vou ouvir musica e vou aproveitar para meditar um pouco….A menina bate a porta e começo sozinha na sala a ser engolida para dentro do túnel da máquina….e sou engolida até a cabeça ficar de fora….menos mal é só o corpo a cabeça continua no ar…com ar…tenho ar. Respira Sofia, está tudo bem a cabeça está de fora e tens uma buzina na mão. Porque é que é ela foi falar na buzina. Será que é normal ter que tocar, será que alguém já a tocou, serei a primeira?! Calma está tudo bem, são apenas 20 min de cabeça de fora ainda com ar para respirar.

Talvez seja importante referir que sou claustrofobia. Que entro facilmente em pânico se me apertam os braços, o pescoço, se fico fechada num elevador. Quando fazia solário ficava com um braço de fora nos botões caso fosse preciso parar aquilo tudo.

O barulho começa e a menina não estava a brincar. Nem quero imaginar como seria se não tivesse os phones nos ouvidos. Musica nem ouvi-la, já percebi que vai ser tudo a cru. Começo a tentar abstrair-me. Não tinha feito um plano no que pensar. Não consigo meditar com este barulho, é impossível, nenhum dos meus anjinhos vai ouvir e nem posso abrir a boca para dizer que seja o que seja. Estou a começar a ficar muito impaciente.

Espera…calma, estou a ter ataques de comichão em tudo o que corpo. Dedos dos pés, ponta do nariz, costas…..esquece Sofia, esquece, pensa em algo bom. Por favor abstrai-te!!! Tenho este efeito das comichões sempre que alguém diz que não me posso mexer. Calma acabei de abrir a boca de sono!!! Será que isto é considerado mexer….Ohhh não há ninguém a quem perguntar e começo a ter espasmos na perna e nos pés. O meu corpo está a trair-me.

A maquina mexeu, juro que entrei mais um bocadinho, agora só tenho a testa de fora. Ohhhh falta quanto tempo?! Ainda muito?! Respira, respira, fecha os olhos e pensa em coisas boas e tranquilas ao ritmo de um barulho ensurdecedor! Será que podem baixar o volume um bocadinho, não me consigo ouvir pensar…acho que vou desmaiar de nervos, se a máquina voltar a mexer aperto a buzina. A máquina volta a mexer, fecho os olhos e começo a contar, a imaginar, cada vez com mais força. Não quero mesmo apertar a buzina, nem muito menos ter que repetir o exame.

A máquina cala-se, a porta abre-se, eu tiro os phones e sento-me a tremer, nem perguntei se já podia. Acho que vou desmaiar de nervos. A menina não me parece muito preocupada com isso e eu vou tentando acalmar-me e a pensar que felizmente era no joelho, caso contrário não teria corrido tão bem

As piadas acabaram, ainda a tremer fui-me vestir. Sai e liguei de imediato à minha mãe….a fazer queixinhas, seja lá o que for.

Somos adultos em tanta coisa, mas há sempre o momento em que temos todo o direito em ser crianças. Hoje foi o meu…

Beijinhos

Sofia