icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

#2

#2 – As Expectativas podem trazer infelicidade

 

Seja em relação a pessoas ou a situações.

Vivam mais o momento do que criar ilusões através das expectativas.

 

Vão com certeza ter maior felicidade a aproveitar o que a vida vos trás neste momento.

As expectativas tornam-se desilusões se não forem atingidas ou se alguém nos desilude pode causar um grande desgosto.

Beijinhos e sejam felizes e mais humanos

Sofia

#1

Nos próximos dias, vou partilhar uma dica de vida por dia. Dicas que todos sabemos mas que ninguém admite. Quero ajudar-vos a entrar em 2018 cheios de força e de vontade de mudar algumas coisas dentro de vocês. A repensarem nas vossas acções e atitudes e como elas podem influenciar positiva ou negativamente a vossa vida e as vossas emoções.

#1 Há muita coisa que não controlas na Vida!

Podemos não controlar muitas das coisas que nos acontece na vida, mas controlamos a forma como lidamos com a situação e como respondemos perante ela. Esse o nosso grande poder!

Por isso pensem bem sempre antes de uma acção ou de darem uma resposta. Sejam inteligentes mesmo em assuntos emocionais. Não se deixem levar pelas emoções nem pelos impulsos, qualquer passo mal dado pode vos custar um trabalho, uma amizade, um amor e a vossa segurança e a auto-estima.

Beijinhos e sejam Felizes e Mais Humanos

Sofia

Um Conto de Natal como Tantos Outros

Um conto de Natal, como tantos outros:

Há muitos anos conheci uma pessoa que estava a passar sérias dificuldades financeiras e emocionais. Não hesitei ajudei de todas as formas possíveis até ficar em minha casa, ajudá-la a arranjar trabalho etc. Para mim a minha prioridade era ve-la novamente feliz e a sorrir. Não tinha dúvidas do carinho e da amizade que tinha por ela e parecia-me que iria ser daquelas ligações para sempre.

Um dia o meu irmão conheceu-a e disse: quando ela tiver bem nunca mais te vai procurar…eu não quis acreditar e fiquei furiosa com ele. Isso não iria acontecer nunca!!!…mas passadas semanas, ela saiu de minha casa, arranjou trabalho graças a um amigo meu e nunca mais soube nada dela até hoje. Afastámo-nos por completo. A inicio ainda me ligava para pedir conselhos, mas nunca tentava estar comigo, ou combinar um encontro e com o tempo, com grande tristeza minha tive que dar razão ao meu irmão.

A beleza deste conto de Natal é que passados 4 anos continuo a entregar-me da mesma maneira às pessoas e a sofrer as mesmas desilusões. A acreditar que que não só vão continuar minhas amigas para sempre mas que podem até um dia sentirem-se agradecidas por o carinho que lhes dei. As pessoas têm memória fraca, curta e pior quando acham que é uma obrigação ajudá-las. São perfis pouco humildes e sugadores de todo o tipo de energia (não estou a querer chamá-las de interesseiras), mas fazem sentir-nos usados e deixam marcas na nossa vida e dúvidas de como havemos de agir da próxima vez.

A moral da história, não é deixar de se ajudar o próximo, mas entender que as pessoas não são iguais a nós e que não as vamos, nem temos o direito de as mudar. Podemos continuar a dar mas sem expectativas, sem esperar nada de ninguém, nem para mais, nem para menos e se for caso da pessoa seguir o seu caminho sem a nossa amizade é preciso saber deixa-la partir! E não pensem que todas as pessoas são iguais porque não são. Depois desta história já tive algumas do género e que se tornaram amizades sinceras.

Quem sabe somos apenas uma passagem para curar alguém que está ferido.

Beijinhos e Boas Festas, sejam muito felizes e mais humanos

Já agora, a ingratidão não faz bem a ninguém e a humildade é uma virtude

Sofia

Como te Sentes Hoje? Deprimido?

  • Tristeza
  • Apatia
  • Desespero
  • Isolamento
  • Solidão
  • Medo
  • Falta de Concentração
  • vitimização
  • Agonia
  • Falta de Energia
  • Doença
  • Fraqueza
  • Ansiedade
  • Ataques de Pânico
  • Insónias

Estes são alguns dos sentimentos que existem em pessoas que estão com uma depressão.

Infelizmente, claro que isso dependerá sempre de caso para caso, são poucos os bons sentimentos existentes que permitam ver a luz ou que anulem algumas destas sensações.

Muitas vezes não passam disso de sensações elevadas a uma escala enorme, que chega a ser desporpocionada da realidade, principalmente para quem vê de fora. Tem um efeito em bola de neve e quanto mais acumula maior ficam.

O corpo reage a esses sentimentos, porque a cabeça é muito poderosa e manda em tudo. Por isso é normal que se fique doente, fraco, sem energia, mesmo que não se tenha nada mas acredita-se que sim.

Em relação às amizades, sim há muitos que se vão embora, porque são fracos e não sabem lidar com a tristeza alheia, mas é uma forma de limpar as amizades e definir prioridades. Mas também são muitos os casos que as pessoas que estão deprimidas afastam-se de toda a gente ou tornam-se complicados de estar por perto, pelo facto de serem tão negativos e tristes, só falarem da sua depressão.

Por muito que fale ou escreva sobre este assunto, quero que entendam que cada um tem o seu processo. Não há depressões iguais, porque os motivos e as pessoas serão sempre diferentes. As curas não são como as dicas das maquilhagem, cada um tem o tempo ou o seu método.

Mas há uma coisa que tem que ser igual para todos os casos: Se não trabalharem para a cura, vão arrastar isto por anos e mais anos. Procurem ajuda profissional, não para vos encharcar em medicamentos, mas para partilhar os vossos medos, as vossas ansiedades, fobias, passado, presente e futuro. É preciso fazer um caminho solitário, na escuridão que será de enriquecimento interior. Vocês vão reaprender a gostar de vocês que é o mais natural possível.

Já agora não deixem de trabalhar, quando mais se isolarem do mundo, mais serão esquecidos, mais tristes e infelizes vão ficando. Não deixem de se arranjar porque não há ninguém que vos veja, isso não é verdade, vocês veem-se e precisam ver algo bonito e especial, nem que seja através da roupa, maquilhagem e um cabelo bonito

Preparem-se para serem felizes essa é a condição natural da vida, não estarem deprimidos.

Beijinhos enormes e sejam felizes e mais humanos

Sofia

 

 

O Clube das Solteironas

Chamam-nos de encalhadas, mas não estamos é para merdas.

Dizem que somos exigentes, como é óbvio, porque não queremos um qualquer.

Temos a fama de ter mau feitio, porque odiamos que nos façam perder tempo.

Acham que vamos ficar para tia, preferimos isso mil vezes do que ficar para infeliz

No entanto somos românticas, sonhadoras e não desistimos de um dia termos uma historia de amor e um final de feliz.

Adoramos valores, tradições apesar de sermos muito independentes, somos demasiado fieis para aceitar traições.

Existem todas as espécies e feitios de solteironas e o que nos define é o amor próprio e não aceitar que é necessário alguém, para nos fazer feliz. O ter só por ter não faz parte do nosso vocabulário.

Hoje em dia nada nos impede, somos livres, felizes, destemidas, corajosas e independentes. Podemos fazer tudo o que nos dá na bolha e não ter que dar satisfações a ninguém.

No entanto, a maior parte das “solteironas”, quando encontra, alguém que as mereça, são dedicadas, amorosas, companheiras e muito apaixonadas. Entendem o conceito de família e cumplicidade, embora seja dificil encontrar homens que consigam ver a verdadeira essência de uma solteirona e entendam que elas não competem com eles mas tornam-se suas aliadas em qualquer momento das suas vidas.

Fazemos parte de uma sociedade machista, tanto da parte dos homens como das mulheres, em que nos consideram “estragadas” ou porque estamos sozinhas, ou porque não temos filhos, ou porque nunca casámos, ou porque somos o que queremos ser. Somos condenadas de várias formas e castradas quando tentamos falar de relacionamentos. Shiuuu…não tens como falar de relacionamentos, porque não o tens!

O facto de sabermos tanto sobre isso é que faz de nós quem somos e tomarmos as decisões que tomamos.

Gostamos de homens inspiradores, guerreiros, corajosos, com valores e com menos bla bla bla e mais acção. Fica a dica 🙂

E não tenham pena de nós, sintam orgulho da nossa decisão!

Beijinhos às solteironas lindas espalhadas por este Portugal e pelo Mundo todos e não caiam na tentação do cliché de namorar só por namorar 😉

Sejam felizes e mais humanos

Sofia

Eu e os Meus 43 Anos

Xii tantos anos, que para aqui vão. Cheguei aos 43 com a mentalidade de uma jovem inconsciente, o corpo de alguém muito estragado, o feitio de uma solteirona lol e a maturidade de uma mulher madura cheia de classe e que só grita quando é mesmo necessário (como quase sempre).

Mas estou feliz de estar aqui e ter chegado a um ponto em que finalmente me sinto em paz comigo. Ainda existem alguns ajustes a fazer no meu carácter, mas a cambalhota que dei era necessária e não podia estar mais orgulhosa.

A viagem começou quando há uns 2 anos e uns bons meses, desliguei o telefone a chorar por estar a falar com um idiota que não merecia nenhuma das minhas lágrimas. Tinha passado 7 meses a tentar ganhar o amor dele, o respeito e o carinho. A única coisa que consegui ter era uma espécie de desprezo fofinho (coisa que ninguém merece, a não ser os que se colocam a jeito…como eu).

Desliguei o telefone com imensa raiva e disse para mim “nunca mais ninguém me vai fazer mal” “Vou tirar tudo o que é tóxico da minha vida”. E isso incluía, tabaco, coca-cola em excesso, pessoas e homens…etc

Vi-me sem chão, sem saber o que fazer e para onde ir, mas muito convicta das minhas decisões. Esperava sei lá, que uma placa se atravessasse no meu caminho com as soluções de vida, ou com alguma dica que fosse, uma previsão do futuro, uma luz.

Lá ia me virando como uma barata tonta (ia para todo o lado mas não chegava a lado algum)

Sentada numa palestra, sem saber para o que ia, começou a falar um Monge Budista. As suas palavras entravam em mim como balas, furando todos os meus sentidos e mantendo-me mais acordada como nunca.

Amor Incondicional e universal,

Ama-te a ti para poderes amar o próximo.

Ilumina-te com conhecimento

Dá sem esperar nada

Confia no coração.

Era isto!!!! Era tão isto. Fui ao templo e adorei andar descalça, já me tinha esquecido o que era sentir a terra, não ter que me preocupar com quem era e com o que tinha que ser. Meditei pela primeira vez e adorei, mesmo sem ter fechado completamente os olhos e não tenha deixado de pensar nas milhares de perguntas que tinha a fazer sobre o Budismo entre outras coisas, eu estava ali numa missão: “Encontrar a Verdadeira Sofia”.

Mas calma que ainda estamos no inicio…a partir de aqui foi duro e tive momentos horríveis de dor e solidão. de comer como se não houvesse amanhã, de olhar para o meu corpo e não me reconhecer, de sorrir com os lábios e nunca com o olhar, de chorar muito, de querer um fim, de me odiar, de odiar os outros, de querer uma resposta e não ter “MAS AFINAL QUEM SOU EU?”

Mas também tive momentos bons em que me ia descobrindo aos pouquinhos e fui andando devagarinho e 1 ano depois estava a fazer a minha 1ª viagem sozinha e a amar todos os segundos e quis fazer a 2ª e a 3ª e neste momento não hesito em agarrar o carro, colocar os cães lá dentro e ir para onde for.

Decidi não estar disponível para toda a gente e cortei com imensas pessoas. Não sou serviço público e que me perdoem os mais sensíveis mas tenho mais que fazer. Adoro e respeito o carinho, mas há tanto mais no mundo a fazer do que passar a vida num chat com gajos que não sabem o que querem da vida ou que não têm mais nada para fazer.

O voluntariado entrou na minha vida e ficou “Amor Universal”: Ama os outros e não esperes um agradecimento.

Doi ver a realidade mas doí mais sentir que ninguém faz nada. A ajuda na AMIAMA tem-me feito melhor a mim do que a todos os cães que por lá passaram e estão. Porque é o meu abrigo também. Relembra-me todas as vezes em que fui abandonada, castigada por ser demasiado fiel, ajudada por pena e solta mesmo sem saber para o que ia, ansiosa, com medo mas cheia de vontade “é desta que é que é de vez”! Mas nunca foi e volto sempre a sentir-me só.

Estar lá ajuda-me a conhecer-me melhor, a entender os outros, a ser menos reactiva e mais compreensiva. Tenho aprendido valiosas lições com os animais, como eles estão preparados para perdoar quem lhes fez mal, ou dar uma nova oportunidade para serem amados e felizes.

A meio deste ano ainda sem saber o que fazer da minha vida e a colocar em causa tudo e principalmente as minhas capacidades, fiz um curso de Coach, para ser coach, mas pensei usar aquilo para mim e contra mim LOL. Fui a cobaia de todos e deixei dissecarem-me dos pés à cabeça, chorei que me fartei, mas foi bom, muito bom. Acabei uns meses depois limpa, revigorada e com uma palavra no destino: PERMITE-TE! a Amar, a Sonhar, a Realizar, a Alcançar, a Seres quem és e quem queres ser, a ser Feliz e a Gostar de ti!!!

Comecei a fazer consultas de coach e funcionava!! Eu ajudava os outros a encontrarem um caminho, a passarem a ter uma certeza “eu preciso gostar de mim e cuidar de mim””eu sou a prioridade na minha vida e só assim posso ajudar os outros”.

E estou agora aqui, com o cabelo pelos ombros, com os saltos mais baixos, com os meus defeitos e feitios mas com a certeza de que gosto de mim e quero gostar sempre. Estou mais contida em tudo e principalmente no que partilho. Deixei de usar a carta de blogger e passei a sentir-me novamente uma pessoa que adora partilhar e ensinar os outros. Continuo a sofrer e a ter dúvidas porque isso faz parte da condição do ser humano. Mas não sofro mais por antecipação, deixei de fazer filmes e adoro a sinceridade e não suporto que me façam perder tempo. Quando alguem afasta-se de mim deixo ir e não me arrendo de nada a não ser de algumas coisas do passado porque olho para trás e pergunto-me “Quem foi aquela pessoa? porquê tomou aquelas decisões e porque gostava tão pouco de si mesma?!”

Afinal de contas, não eram os outros que me faziam mal, era eu que me fazia mal em permitir que me magoassem. Não nasci para sofrer, nasci com uma missão de sorrir e fazer sorrir, de ajudar os outros pelos meus erros e de transformar vidas tristes em alegrias constantes.

Hoje é o meu primeiro dia com 43 anos e com orgulho digo “Gosto de Mim”

Beijinhos e muito obrigada pelas vossas mensagens carinho e por favor sejam mais felizes e mais humanos.

Sofia

A Vingança

Sou escorpião e sempre que digo o meu signo a 1ª coisa que me dizem é: Ui cuidado és vingativa!”

Não me lembro de alguma vez ter-me vingado de alguém. Podem ter-me passado mil coisas pela cabeça mas dai a coloca-las em prática nunca aconteceu. Faltou-me a coragem, achei melhor afastar-me e a máxima “a vingança vira-se contra a ti” sempre me deu aquele medinho e fez desistir.

Até porque dizem que o Universo toma conta das pessoas que nos fazem mal. Coisa que duvido um bocado e sinceramente nem me interessa saber. O importante quando alguém me faz mal é afastar-me dessa pessoa e nisso o Universo está sempre a nosso favor. Já lá vai o tempo em que ficava a sofrer por alguém que não me merece ou que faz gato sapato dos meus sentimentos, agora sinto-me aliviada.

O que vos venho aqui dizer é que quando se vingam de alguém, vocês estão a deixar aberta uma situação com essa pessoa que normalmente não leva a nada apenas acentua a dor. Até porque normalmente quem nos magoa não tem muitos sentimentos, por isso vocês vão estar apenas a chatear a pessoa, mais nada. Ela não vai voltar a gostar de vocês nem muito menos voltar o tempo atrás.

A melhor vingança sabem qual é? é a indiferença, é andar com a vida para a frente sem olhar para trás, é mostrar que alguém que vos atingiu não vos é mais nada.

Das situação que mais me custa entender são vinganças quando há filhos à mistura. Quando os progenitores se separam e um deles começa uma guerra de interesses, de ameaças, de chantagem e de drama em que envolve as crianças, É o horror e pergunto-me se eles têm consciência do mal que lhes estão a fazer? Um filho crescer a pensar mal de um dos pais, ou a sentir-se um boneco de trapos que anda de um lado para ao som das discussões e discórdias? Não será mais fácil os pais evitarem que os filhos vivam com essa experiência?

Gostava mesmo que pensassem sobre isso, porque qualquer vingança que façam, vocês só estão a magoar a vocês mesmos e a deixar que uma ferida não sare nunca e impossibilita-vos de avançar, seja para que caminho for.

Beijinhos e sejam felizes e mais humanos

Sofia

 

Novo Look e o lado Emocional da Coisa

Primeiro de tudo e antes de começar a minha analise sobre o corte de cabelo que fiz ontem. Quero agradecer do fundo do coração ao carinho dos vossos comentários e às inúmeras mensagens que recebi. Vocês são realmente incríveis.

É muito engraçado estar deste lado e observar como as pessoas encaram os diferentes pormenores da vida. O que para uns um corte de cabelo é algo fun, divertido, uma mudança super natural, para outros, como eu, precisam de muita coragem para o fazer.

Este corte está a ser adiado há mais de um ano. Eu não tinha duvidas que iria ficar bem, porque primeiro confio a 100% no Edilson Soares e em toda a sua equipa – Unique e depois porque eu até sou gira :D.

O medo era do dia em que acordasse e me arrependesse ou sentisse falta do meu cabelo comprido. Por muito que falem em extensões não tem comparação em ter o cabelo naturalmente comprido. Ainda não estou livre de isso acontecer, mas já tenho as ferramentas para mudar essa sensação.

Então eu decidi há uns meses que isto iria acontecer, para além de outras coisas que em breve irei mostrar.

A ideia no corte era sentir-me bem, mais leve, diferente sem que isso afectasse a minha confiança e auto-estima. Então eu tive que dar a cambalhota final. O cabelo não me controla a mim, mas sim eu ao cabelo. Tenho vindo a fortalecer nestes últimos meses, para me sentir mais poderosa, mais confiante de que forma for. E este é o processo e caminho.

No passado já fiz o corte de cabelo radical (cortar um cabelo que estava pelo fim das costas para rapaz). Estava no inicio da minha depressão e achei, como a maior parte das mulheres, que a mudança de visual iria mudar o que sentia e dar um rumo À minha vida. Big Mistake!!! Passou a ser a minha tortura nos meses que se passaram até voltar a crescer, coisa que demorou 2 anos.

Os cabelos, quando deixamos de gostar deles, transformam-se nos alfinetes que me picam e relembram a todos o momento a dor, a impotência, a insegurança, os medos, etc. Eu estava gira (porque me ficou muito bem) mas sentia-me a mulher mais sem sex appel do mundo. Foi ai que descobrir que não podemos colocar nestes actos a responsabilidade de mudar ou de nos curarmos.

É igual à necessidade de encontrar alguém nas nossas vidas para que sejamos felizes. Isso não é justo para essa pessoa. Temos que encontrar primeiro essa felicidade em nós e depois o resto é só acrescentar :).

Em relação aos vossos cortes, testem primeiro e aconselhem-se para terem certeza que vão gostar. Eu já andava a tirar imensas fotos a simular o cabelo curto para ver como me sentia.

o melhor de tudo é que mesmo curtinho ainda consigo fazer um rabo de cavalo e um coque.

Beijinhos grandes e sejam felizes e mais humanos

Sofia

 

 

 

 

Como Deixar de Se Preocupar e Começar a Viver

Muito obrigada por terem partilhado comigo o livro da vossa vida e que teve um impacto positivo e que de certa forma vos ajudou a mudar. Confesso que fiquei curiosa com muitas das sugestões, só não sei se vou ter tempo para as ler.

Eu acho que é justo partilhar o meu livro. Vou chama-lo de “Bíblia” sem ofender ninguém, mas na realidade vou querer sempre te-lo por perto para consultar em diferentes fases da minha vida.

Mudou completamente a forma como eu via a vida e fez com que eu aceitasse tanta coisa e que me liberta-se, principalmente de uma mentalidade negativa e de vitima coitadinha.

Não creio que este livro vai ser lido por todos da mesma forma, porque só o vai entender quem estiver já no caminho. E por muito simples que seja de ler e motivacional, nem todas as pessoas vão conseguir dizer isto sou eu e não quero mais ser assim, etc. Mas gostava que sim.

Estou a aprender com o tempo que as mudanças, apesar de assustadoras, pode trazer uma realidade muito melhor e que os nossos medos condicionam-nos o sucesso, seja profissional ou emocional. O tempo faz parte da vida e há muitos momentos em que em vez de entrarmos em pânico, vamos ter que saber esperar, pensar, descontrair, aceitar algumas adversidades da vida e só depois quando estivermos mais fortes, vamos poder avançar. Mas aceitem o tempo e desfrutem dele e aproveitem para se conhecerem, para falarem sozinhos em voz alta e serem o mais sinceros possíveis.

Quase todas as nossas frustrações e infelicidades são fruto da nossa imaginação. Damos uma carga mais pesada aos acontecimentos do que eles são por si.  Temos que deixar de nos preocupar com aquilo que ainda não aconteceu. Viver o momento e saber aproveitar as coisas boas que temos. Quando for altura de preocupar, tomar novas decisões nós saberemos.

Não deixem que coisas insignificantes estraguem o vosso dia. Não sejam a vitimas de todas as situações, qual a vossa culpa, o que poderiam ter feito melhor, o que podem mudar para a próxima vez.

Se tens muitas preocupações ou assuntos pendentes, faz uma lista, dá prioridades. Deixa o passado destruir o teu presente. Liberta-te

Os Homens não atraem aquilo que querem mas aquilo que são!!!

Agradece o que tens todos os dias e trabalha pelo que te falta.

2 homens numa prisão a olhar por uma janela, um vê a terra o outro vê as estrelas!!!

Espero der deixado uma vontade de mudar a vossa maneira de ver o Mundo e a gerir a vossa vida.

Beijinhos especiais ao Ivo Madaleno (que já devia estava farto de me aturar lol, com razão, das minhas lamurias e desgraças do tamanho de uma agulha) que me recomendou este manual do sobrevivência, esta Biblia, que anda sempre comigo.

Beijinhos, sejam felizes e mais humanos

Sofia

Eu Era Sempre a Vitima

Sempre cresci com o síndrome da vitima. Tudo o que me acontecia era sempre por causa dos outros. Eu era a desgraçadinha de serviço, o bode expiatório a coitadinha de todos os tempos.

Recentemente li um livro que mudou toda a minha perspectiva da vida e consegui perceber que o estado de vitima está sempre associado com pessoas com auto-estima baixa e falta de segurança. Todas as outras vivem perfeitamente em comunidade e naturalmente bem consigo mesmas.

As vitimas estão sempre no centro de todos os problemas, discussões, dramas, tristezas, traições. Vêm alguma coisa em comum?! sim…nós!!!

Sei que tudo o que vou escrever a partir de  agora, para a maior parte das pessoas vai parecer estranho, mas as Vitimas atraem mais do que pensam tudo o que lhes acontece e pior é que alimentam esses acontecimentos porque vivem focadas nesses dramas e não fazem nada para mudar porque esperam que os outros tenham pena delas ou que mudem. Coisa que não vai acontecer pois ninguém gosta de coitadinhos e de tristezas…só as “vitimas”

Não quero que pensem que sou bruta ou insensível, apenas quero dar-vos algumas ferramentas para encontrarem o caminho da vossa salvação. Sim porque ao se libertarem desse lugar escuro, frio e sozinho que é ser uma vitima vão encontrar outro muito melhor dentro do vosso coração: poder, domínio, auto-controlo, segurança e atitude

o 1º passo é colocar de parte essa mentalidade de coitadinho. Não voltem a dizer que só acontece a mim, que todos me odeiam e ninguém me compreendem. Quando custar ter essa flexibilidade comparem a vossa situação a outra mais grave e usem a balança da consciência. Se calhar até podem estar a fazer uma tempestade num copo de água e parecerem fúteis.

Muitas das situações em que nos encontramos, somos nós que as mantemos, ou porque queremos, ou estamos demasiado fracos para sair delas. Mas está nas nossas mãos acabar tudo e virar costas. Saber crescer, aumentar a auto-estima e viver em função das nossas necessidades. Temos que desligar do Mundo em redor e fortalecer e garanto-vos que depois ninguém vos vai fazer mal.

Neste últimos tempos cada vez que me acontece algo negativo, pergunto-me: “Que culpa tiveste nisto?” e resolvo. Isso tem-me ajudado a ser mais humilde, a pedir desculpas e evitar que volte a acontecer.

Vou dar um exemplo. Há umas semanas atrás o meu iphone caiu ao chao e partiu-se todo. O normal na Sofia antiga seria chorar-me e dizer “isto só me acontece a mim!” “que azarada que sou!”, etc. A caminho da loja perguntei-me: que lição posso tirar disto, qual o lado positivo?

  1. o telefone tinha arranjo e não foi preciso comprar um novo (que custam cerca de 600€)
  2. eu tinha dinheiro para pagar o arranjo, creio que foi 60€
  3. o telefone só caiu porque eu deixei cair. dou como garantido ter o telefone e por isso não tenho cuidado nenhum com ele
  4. as minhas mão andam com menos força e facilmente tenho deixado cair imensas coisas.

No dia seguinte fui à Tiger e comprei umas molas para fortalecer as mãos e desde então tenho cada vez mais força e firmeza. Quanto ao telefone, desde então não voltou a cair-me pois ando com muito mais cuidado e atenção.

Espero que entendam a mensagem e que consigam virar a vossa vida para o lado certo

Beijinhos, sejam felizes e mais humanos

Sofia