icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Viajar Sozinha

Há 5 anos que me separei e fazer férias como solteira passou a ser o mesmo que não fazer férias. Simplesmente não era e é fácil passar de um estado ao outro e começar a pensar como 1, até porque para superar a maior parte das minhas fobias precisava do 2 para me dar coragem.

Fui tirando férias para trabalhar noutros projectos ou aproveitava as idas do blog para considerar a deslocação como férias….mesmo que fosse apenas de 1 dia

  • Não é fácil estar na casa dos 30 e tais voltar a fazer férias com amigos até porque a maior parte estão quase todos casados. Não me apetece ir em família ou dar uma de vela de casais.
  • Depois não é com qualquer pessoa que se viaja ou passa férias. É preciso ser alguém com os mesmos gostos, vontades, estilo de vida, financeiro e que se dê muito bem connosco e que entenda um conceito básico de que “Amigo não empata Amigo” e que não é preciso fazer tudo literalmente juntos. Estamos aqui também a falar de valores e educações. Só para evitar um atrito nas férias, ou maus humores num destino que é suposto trazer boas recordações.
  • Fui deixando para amanhã o marcar, sempre na expectativa de ter alguém e esse alguém nunca chegou (até chegou, mas não ficou o tempo necessário para se fazer umas fériazitas ou um fim-de-semana)
  • Mulheres convenhamos que tirar férias connosco é uma dor de cabeça. Férias com amigas é muito complicado e começa por tentar marcá-las. Nunca se chega a acordo do destino e depois mudam de vontades e de datas, ora têm dinheiro e depois já não dá jeito e desmarcam tudo. Enfim, comecei a entender que prefiro nem perder tempo à procura de sítios porque a coisa não vai acontecer.

Então este ano comecei uma viagem, uma viagem emocional e espiritual e apesar de não estar a passar o momento mais forte da minha vida, sinto que estou cada vez mais próxima de mim. Ando a fazer muitas mudanças e acredito que será para melhor, mas essas mudanças estão a ser muito intensas emocionalmente porque estão a ser drásticas.

Aos poucos fui ganhando coragem para estar sozinha e a gostar de estar sozinha. Tudo começou com a viagem que fiz a Fátima no final do ano. Fui dormir 1 noite apenas. Na altura até tinha alguns pretendentes interessados em acompanhar-me, mas pensei que não valeria o esforço e decidi ir sozinha. Amei!! vim mais forte e mais feliz. Andei de bicicleta, caminhei por entre terras abençoadas e vim de lá com a aura a brilhar e conheci pessoas fantásticas que mudaram um bocadinho de mim e fizeram-me crescer.

Depois comecei a aumentar as minhas idas ao Porto para 3 dias. Apesar de andar sempre ocupada de um lado para o outro, há sempre momentos em que passamos sozinhos e passei muitos e bons momentos comigo, aventuras, passeios e foi óptimo. Felizmente estou sempre muito receptiva a conhecer pessoas novas e tenho tido a sorte de conhecer pessoas fantásticas. Como mulher também não me assusta ir a bares sozinha, passear, jantar, ou fazer outra ou qualquer actividade. O importante para mim é:

Não privar-me de nada que me faça Feliz!!!

Não se esqueçam que com os dados e wi-fi, estamos sempre ligados ao Mundo. Se sentirem-se sozinhos publiquem uma foto que dá logo algum conforto, ou procurem um amigo no chat para manter o contacto e não se sentirem tão isolados. Eu aproveito a hora de jantar sozinha para organizar as fotos, os vídeos, rever o meu dia ou planear o dia seguinte. No meu caso, uma das minhas intenções era mesmo libertar-me da dependência da redes sociais e dos chats

Fobias:

Está aqui um tema interessante, porque ultrapassá-las com alguém do nosso lado já é complicado, sozinhos pode ser o fim-do-mundo. Cada um há de ter o seu método e quanto menor dependência tiverem de outras pessoas melhor. Eu tenho medo de andar de avião, mas não quero que isso me trave, até porque já o fez nestes últimos 5 anos. Se tiver medo, chamo a pessoa indicada que é assistência a bordo ou rezo. Mantenho-me sempre ocupada ou dou a mão à pessoa do lado lol.

Como sabem eu tenho ataques de pânico. Não são muito comuns hoje em dia, mas podem ainda acontecer a qualquer momento, em qualquer sitio e aconteceram no pior momento das férias nos Açores. Felizmente teve um final feliz que foi conseguir sobreviver e chegar ao Hotel sã e salva. Infelizmente através da experiência aprende-se a melhor forma de os controlar e a ideia é mesmo a nossa mente controlar o ataque e não o ataque nos controlar a nós. Seja através de um comprimido, de uma meditação, de berros, tentem encontrar o vosso ponto de equilíbrio e a serenidade. Uma coisa vos digo o 112 ajuda muito bem a ultrapassá-los. Digo isso porque já liguei várias vezes. Nos Açores estava sem rede…foi mais dificil

Contacto:

Não se fechem para o Mundo. Sejam receptivos a conhecerem pessoas novas. Não têm que ser amigos para sempre, mas pode ser engraçado trocar impressões com outras pessoas. Eu falei com toda a gente nos Açores e não fiquei à espera que fossem elas a meterem-se comigo. Atirei-me de cabeça a pedir para me tirarem fotos, a perguntar se queriam que lhes tirasse a elas, a comentar o tempo, a vista, etc. Sem medos devo ter feito figura de maluca, mas não quero saber, isso trouxe-me muita coisa boa de volta e deixava-me bastante animada e feliz para continuar o meu caminho.

Pensamentos:

As viagens sozinhas ajudam-nos a pensar, há tempo para organizar ideias e tomar decisões. A minha maior decisão foi decidir ser mãe, mesmo sem ter ninguém. Deixar que a minha carreira esteja mais organizada e começar o meu percurso natural de mulher e ter quem sabe uma princesinha com que tanto sonho e quero. Nada nem ninguém nos pode impedir do nosso percurso. O nosso maior inimigo a maior parte das vezes (se não todas ) somos nós e os nossos medos. Ora se não há certezas do futuro, porquê não pensar que ele vai ser bom e melhor do que é o presente?!

Natureza:

Tirem os sapatos e coloquem os pés na terra, na relva, no mar, no rio, no lago, onde for, mas sintam a Mãe Natureza. Deixem que os vossos pés criem raízes e sintam-se fortes como uma árvore a crescer. Deixem que a natureza limpe a vossa alma e vos purifique. Abracem uma árvore quando se sentirem tristes e sozinhos e vão notar a força que vos transmite. Mergulhem no mar quando vos apetecer chorar e deixem que as ondas enxuguem as vossas lágrimas. Voem sem medo de cair porque haverá sempre uma nuvem para vos amortecer a queda.

O que eu fiz não foi nada de especial comparado a milhares de mulheres e pessoas que fazem viagens incríveis e solitárias pelo mundo. Para mim a proeza é grande porque até há 1 ano atrás era impensável fazê-lo. Agora não quero outra coisa.

É claro que a experiência de partilhar tudo com alguém que se goste deve ser incrível e pensei nisso várias vezes, mas não tendo não vou sacrificar tudo o que vivi por isso.

Ahh ultima dica, conheçam as vossas limitações, não façam nada sem a “rede de segurança” eu senti que estava preparada para muita coisa.

Beijinhos e sejam felizes

Sofia