icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Um Vazio chamado Amor

Acordas de manhã sozinha e triste, numa cama que cabia pelo menos uma família? Isso é um vazio chamado Amor.

Sentas-te na cama e olhas para o telefone e ninguém te enviou uma mensagem, um texto, um pedido de amizade ou um charme? Isso é um vazio chamado Amor.

Quando recebes uma mensagem no telefone, vais com o coração aos pulos ver quem é, até dares de cara com um SMS da Telepizza com a promoção da semana? Isso é um vazio chamado Amor e fazes a encomenda.

Chegas ao fim-de-semana e estás a tentar decidir qual o filme mais romântico e dramático com que vais passar a tarde a chorar no teu novo pijama polar dos ursinhos enquanto te enfrascas em pipocas e bombons? Isso é um vazio chamado Amor.

Sais de casa no intuito de te sentires melhor e passas o dia a experimentar todos os sabores dos gelados do santini e a olhar para o casais com cara de psicopata? isso é um vazio chamado Amor.

Preferes estar a trabalhar durante a semana do que passar o fim-de-semana sozinha e a 2ª feira passa a ser o teu dia favorito da semana? isso é um vazio chamado Amor.

Estás a ler este texto e a pensar Bolas…Eu tenho um vazio chamado Amor!!!

E na realidade tens mesmo esse vazio, que infelizmente apesar de não ser doença, nem praga, várias pessoas padecem desse mal. Também não se trata de uma moda, é mais uma tendência da geração que não sabe o que quer e que não se consegue comprometer.

Na realidade o problema não é a ausência da pessoa que achas que iria preencher perfeitamente esse vazio chamado Amor, mas trata-se da ausência do teu amor por ti. Faço-me entender?

A sociedade diz-nos que só seremos feliz ao lado de alguém, namorando, vivendo, casando, tendo filhos. Mais do que fazer disto um caminho, fazem disto uma carreira e uma obrigação. Logo o resultado, para quem não consegue será sempre igual à frustração, depressão, ao insucesso, ao isolamento, ao cortar de pulsos ao enfardar até rebentar e à tortura diária de seres uma Infeliz.

Mas se formos a ver e a olhar microscopicamente para a tua vida, ela não parece assim tão má! Ao passar a pente fino conseguimos verificar que tens saúde, que tens todos os membros e sentidos activos no teu corpo, tens cabeça e cérebro, tens família, amigos e que só não tens uma vida, porque meteste na cabeça que serás salva por um príncipe que até a história já desistiu de escrever sobre, para não serem acusados de publicidade enganosa.

Esse vazio que sentes em ti é por ti, porque pelo caminho da tua existência, ensinaram-te que precisavas de ter alguém para ser feliz!

Se fores a ver, as Estações do Ano continuam a acontecer, a Lua e o Sol continuam a brilhar todos os dias, as plantas continuam a crescer, as andorinhas a voar, a mar continua a chamar por ti. Isso significa que não teres alguém não é o fim-do-mundo é simplesmente apenas a tua cabeça a tentar destruir tudo o que é de bonito à tua volta e pior que isso a privar-te desses pequenos momentos maravilhoso que o mundo e a vida te oferecem.

Amanhã é um novo dia para começares a aprender tudo de novo e a começares um novo caminho. Acordas de manhã e agradeces estares viva!!! Vais directa para a casa de banho tirar a porcaria do pijama ou então passas a dormir nua. Arranjas-te de forma gira (põe-te bem gira para ti) até ao ponto de dizeres à frente do espelho “Eu hoje convidava-te a sair!”. Depois bloqueias as mensagens da Telepizza e sais de casa para passear. Liga a uma amiga que por acaso foi quem identificou-te neste texto e que tem uma vida tão vazia como a tua. Vão passear, às compras, ficarem loiras com o Olaplex….isso agora não interessa, o que interessa é que vais mudar tudo, vais rir, sorrir, conhecer pessoas e voltar a gostar de ti.

Aos poucos o “Vazio chamado Amor!” será preenchido por ti e mais ti e mais ti até ficar cheio a transbordar e ai sim estás preparada para receber e ter alguém na tua vida, porque ela não será o centro da tua existência mas um complemento feliz.

Beijinhos enormes e desculpa e frontalidade mas eu hoje precisava ler isto.

Sofia