icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Girls, Stick Together!!!

Conta a lenta e a tradição e qualquer mito urbano universal que as mulheres s

ão umas verdadeiras Bithch’s umas
para as outras. Na realidade já todas sofremos na pele, aquilo que seria o improvável, certo?!

– “Girls they don’t stick together!!!!”

É caso mesmo para dizer que o que se vê por fora, não é bem o que anda a acontecer por dentro, mesmo em casos de amizades profundas. Há histórias autênticas de terror de traição entre as famosas BFF’s.

Os casos mais comuns de traição pela ordem de gravidade:

  • A “amiga” não tomar verdadeiramente conta da porta da casa de banho quando a outra está lá dentro.
  • Serem as primeiras a julgar, mas na frente apoiam imenso a “amiga”. “Acho o máximo que andes com todos….(vaca)!!”
  • Dizer mal da “amiga” nos costas dela, a literalmente toda a gente.
  • Fazer-se ao namorado da outra, ou a pessoa porque sofre de amor ao ponto de conseguir ter algo com ele.
  • Tentar ajudar e todos os conselhos serem o “Don’t do that!”
  • Dizer-lhe que a calças ficam-lhe muito bem no rabo e na realidade ficam péssimas.

Persiste o mistério de porquê elas fazem isso uma às outras quando na realidade precisam tanto desse apoio feminino?

Só há um momento em que as mulheres se unem. É quando uma delas é traída, por um homem! Esqueçam que elas ai arregaçam as mangas e fazem de tudo para a vingar….quer dizer….fazer com que a outra se sinta melhor.

Por muito anos que viva, confesso que não entendo esta insegurança das mulheres que passam vida a competir umas com as outras, ou a desejar-lhes mal “Se eu não tenho, ela também não vai ter” e a não unirem-se nos momentos mais complexos da vida.

Deitam a baixo as poderosas, com medo de nunca serem como elas, em vez de as tornarem como exemplo e tentarem seguir o mesmo caminho.

Vivo num mundo diferente em que para mim a amizade, o orgulho, a cumplicidade passa por cima de tudo isto, seja com BFF’s, com conhecidas, ou desconhecidas. Eu admito que sou fã incondicional de mulheres!

Não, infelizmente sou hetero, deu-me para gostar de homens desde que nasci, vai-se lá saber porquê!

Admiro mulheres, desde o seu corpo, as suas curvas, à elegância, ao lado feminino, maternal, às suas emoções, racionalidade e também ao poder que toda a mulher pode ter. Se o Mundo é dos homens é porque as mulheres ainda não decidiram que fosse delas, ou porque ainda não escolheram o par de sapatos perfeitos para conquistarem o Mundo.

Talvez por ter feito parte de equipas, coros, turmas, aulas, coreografias só de mulheres em que dependíamos umas das outras para o sucesso ou para ganhar, aprendi a valorizar o “Power” das mulheres unidas. Lindas e maravilhosas pelo mesmo fim “All to Shine“.

Hoje volto a subir ao palco e neste caso, mais concretamente subir ao balcão (porque vamos começar a dançar em cima de um balcão) com 15 outras fantásticas mulheres que trabalharam em conjunto, que se ajudaram, que se uniram, que riram, que partilharam nódoas negras e gemidos de ossos a estalar, no ultimo mês e que se apaixonaram pelo o trabalho de uma mulher que todas nós idolatramos e adoraríamos ter um cm da sua sedução, magia e humildade – a minha linda Vanda Gameiro.

Por isso hoje deu-me para isto em que peço que reconsiderem a vossa abordagem em relação às mulheres, amigas, conhecidas e até concorrentes. Se a união faz a força, então vamos lá dar as mãos e rumar para um futuro cheio de mulheres confiantes, bonitas, sedutoras e poderosas

“Girls Stick Together!”

Beijinhos

Sofia