icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Flexibilidade Zero

Como há bocado comentei no blog, haverá algo pior do que chegar a uma aula de alongamentos, entrar um rapaz muito giro e vocês saberem que quando ele olhar para aquele espelho e ver uma loira confiante que não chega com as mãos aos pés quando está de pé, sentada, de joelhos, de gatas e de maneira alguma, a possibilidade de haver um flirt está completamente fora de questão e se isso acontecer, o que é muito pouco provável, é amor para sempre.

Tão mau como isso é entrarem na nossa casa de banho para uma surpresa no duche e estarmos com a toca na cabeça. Se ainda continuarem com vontade de uma brincadeira sexy debaixo do chuveiro é porque é amor.

Nós mulheres temos a mania de sermos perfeitas e nos primeiros encontros confesso que gostamos de enganar os homens. Somos lindas, ausentes de ciumes, somos bem dispostas, disponíveis, confiantes, sedutoras e femininas e todas conseguem tocar com as mãos nos pés. Para os homens estas qualidades são naturais e nascemos com elas para além de saber cozinhar e ter vontade de ter filhos.

Mas esses pormenores não são chamados para nada até ao dia que o temos que provar e mostrar e passamos de perfeitas a reais e graças à nossa falta de flexibilidade já fomos trocadas por outra mulher assim com uma perna atrás das costas.

Valerá a pena chegarmos ao momento em que não conseguimos ser fantásticas e passamos a ser perras e enferrujadas. Então para isso é melhor que o flirt nunca mais acabe até ao momento que temos a certeza que ele está completamente apaixonado.

O problema de tudo é que vivemos numa sociedade que finge acreditar que a perfeição não existe e que aceitamos perfeitamente bem o facto de sermos humanos e não termos que ter jeito para tudo. Mas lá no fundo queremos sempre o melhor porque achamos que damos o melhor. Apaixonamo-nos no Verão quando a boa disposição é uma constante, quando somos giros e bronzeados, mas ninguém acredita que vai chegar um Inverno e que vamos ficar deslavados, flácidos e aborrecidos, felizmente quando esse momento chegar haja amor porque “quem feio ama, bonito lhe parece” e no meu caso quem sem flexibilidade ama, contorcionista lhe parece :).

O melhor é relaxar e continuar a dizer para dentro eu sou fantástica e não chegar com as mãos aos pés é apenas um pormenor e que se for persistente um dia chegarei e se não chegar continuarei a ter outras boas qualidades e sei que tentei chegar mais longe, por isso quem se apaixonar por mim é porque aquilo que sou, pelas minhas limitações e pelos meus sucessos até porque sou igual a toda a gente…humana mesmo antes de ser mulher sem flexibilidade. E prometo fazer um esforço e também não ser tão exigente e como diz um amigo meu, tens que saber abdicar de alguma qualidade ou ficas sozinha para sempre

Beijinhos

Sofia