icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

É só Hoje, amanhã volto a ser o que Criei

Não sei se repararam mas tenho evitado escrever sobre temas sentimentais e amorosos e fofinhos ou partilhar o que sinto no coração. Não que não me apeteça, apenas porque tenho estado mais distante do meu lado emocional. Criei uma armadura que está a ser dificil tirar. Assim protegi-me de me apaixonar, de me fazerem mal e pode tudo bater aqui no peito que não me atinge.

É uma postura bastante confortável apesar o peso, mas que nos deixa frios, assertivos, principalmente para uma pessoa como eu, que sente até ao último fio de cabelo, que se arrepia por tudo e por nada, que se emociona com finais felizes e que nasceu para amar.

Enfim, é aquele cliché em que vamos amadurecendo e vamos ficando mais fortes, mais resistentes, os amigos de verdade vão diminuindo e vão ficando os de verdade, bla bla bla e pronto têm razão como sempre.

Com as armas que criei, passei a ser a protectora, a progenitora, dos meus amigos, a que está sempre à coca a ver se está tudo bem, a que os alimenta, a que lhes limpa as lágrimas, a que adora vê-los rir e rir com eles e que os aconchega à noite e espera que durmam tranquilos e acordem Felizes.

Há uns dias, depois de ter passado um dia incrível no Rock in Rio com os meus amigos, escrevi no meu perfil: Das melhores felicidades em ter o blog é poder proporcionar aos meus amigos coisas fantásticas, momentos únicos, experiências, atendimento VIP, Bilhetes, jantares, viagens, fins-de-semana. Ver a alegria nos seus rostos, os sorriso nos seus lábios e os olhos a brilhar compensa todas as palavras que tenho que escrever, todas as horas do meu tempo, todas fotos e vídeos que tenho que fazer. Adoro ser Blogger e adoro ter Amigos <3

Cada uma destas palavras foram sentias e não as trocaria por nada.

Hoje, porque deixei cair as armas e a armadura em casa, senti que quando não sou eu a proporcionar estes momentos esquecem-se de me incluir nos momentos deles. Também preciso de sorrir, também gosto de colo, que cuidem de mim, que saibam os meus gostos, enfim sentir que sou importante e que me limpem as lágrimas de vez enquando  e que também tenho medo e que preciso de uma mão.

O mal de ser a cuidadora é que todos acham que somos invectiveis, lutadores, fortes e às vezes só estamos a tentar não nos afogar.

Olhem à vossa volta e vejam quantas pessoas tomam essa posição na vossa vida e sejam hoje vocês a procura-las a perguntem se estão bem e mesmo que elas mintam a dizer que sim que estão óptimas que não precisam de nada, surpreendam-nas que vão fazer alguém especial muito feliz!!!

Beijinhos  Viva às Amizades de Verdade!!

Sofia