icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

De Mim Mesmo

Após a minha foto sem maquilhagem partilhada esta manhã no instagram seguido de um texto profundo um amigo meu enviou-me uma mensagem a dizer-me “Não tens motivos para tanta insegurança”

Eu sei disso, sou a primeira pessoa a condenar-me por ser assim, mas infelizmente é uma realidade que viveu mais tempo comigo do que esta nova pessoa que gosta de si.

É como se fizesse parte da minha genética estar sempre a colocar-me defeitos, ou a deitar-me a baixo ou destruir-me e se não é por uns motivos será por outros. Passo o tempo entretida a tentar esconder as falhas com os saltos altos, a maquilhagem, as roupas giras, os argumentos interessantes, porque não realidade não consigo assumir que sou uma pessoa que tem tudo para ser feliz e realizada por não ser perfeita.

Podem acreditar ou não mas quando passei a maior parte da minha vida, cerca de 30 anos a ouvir coisas horríveis ou porque era burra, ou porque era baixa, ou porque era chata, ou porque era insegura, ou porque era feia ou porque não tinha conseguido, ou porque isto ou por aquilo e mesmo tendo crescido com uma família incrível e amigos maravilhoso, que nunca me fizeram sentir isso, mas a restante tralha de ex namorados, amigas vigaristas, as falsas amizades, contribuam para este perfil inseguro. Eles não contribuíram sozinhos claro, eu fui a principal responsável porque deixei, porque tinha esperança que assim iriam gostar de mim. Coisa que obviamente não ajudou.

Por isso reside dentro de mim este material de pessoa instável, insegura, que se acha incapaz de tanta coisa apesar de ir fazendo outras mil e pior é achar que não tenho conteúdo suficiente para ser amada. Com a mudança da idade, com o aumentar de peso, são apenas novos brinquedos para alimentar as paranóias destrutivas.

Podem ter certeza de uma coisa que eu safo-me, vou andando como os interruptores umas vezes para cima e outras para baixo e consigo por muito que vá ao fundo renovar-em, reinventar-me e voltar a voar. Estes meus desabafos para além de serem uma forma de me estabilizar, como um tapa na cara, mas também servem para milhares de pessoas que não têm acesso a psiquiatras, psico-terapeutas, a formulas mais rápidas de recuperação. Eu vejo e sinto que há tanta gente a sofrer por ai e uma forma de ser o exemplo é sentir que estou a contribuir para alguém mudar de vida muito mais cedo do que eu mudei a minha.

Ninguém merece crescer assim e garanto-vos que eu preferia mil vezes não passar por isto pois para mim, muito mais do que para vocês é uma autêntica tortura emocional que acaba por afastar mais pessoas do que seria normal.

Hoje acordei e senti-me bonita, senti-me especial e mais forte e feliz…simplesmente feliz e quis partilhar com todos porque que incentivar as pessoas a dizerem e assumirem que podem gostar de si.

Pode ter sido pelas mudanças que fiz em minha causa desde a consulta de Feng Shui da Raquel Dominguez ou pelo tratamento de rosto (lifting asiático) a que fui submetida ontem pelo salão Corte e Arte em Alfragide ou pela aula de dança La Femme, mas o que é certo é que voltei a sentir uma leveza dentro de mim e uma paz e que me deixa assim a flutuar.

Obrigada a todos pelo carinho e pelas milhares de mensagens e post que recebi, eu realmente tenho mesmo muita sorte em vos ter na minha vida e não é com isto que eu não valorize é apenas às vezes ter medo de não a merecer.

E podem não acreditar mas eu gosto muito de mim caso contrário não estaria sempre a tentar salvar-me e a crescer

Beijinhos e cuidem-se, amem-se e sejam bons para os outros

Sofia