icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Como Levantar de uma Queda?

Vou contar-vos uma historia. Há uns bons anos um grupo de salsa veio actuar ao coliseu de Lisboa.

A sala estava completamente cheia. Todos os salsseiros do pais e arredores, assim como os apaixonados pela música Cubana vieram ver o espectáculo.

Como sabem para mim a vida é uma festa e quando a meio do espectáculo eles perguntaram quem quer vir ao palco dançar eu coloquei de imediato o braço no ar. Agarrai na namorada da altura do meu irmão, que dava aulas salsa e alegremente e em ritmo de salsa fomos para o palco. Ficamos assim num cantinho como quem não quer a coisa e apercebi-me que os homens que se tinham voluntariado dançavam pouco e que nem eu nem ela iríamos brilhar. Então disse “Vilma, dança comigo”, coisa que já andávamos a praticar há já algum tempo. E ficámos no nosso cantinho de forma humilde a dar o nosso show.

O cantor apercebeu-se e convidou-nos a dançar no meio do palco ao som da banda. Tinha chegado o nosso momento (na realidade o meu, porque ela já dançava profissionalmente), e começámos a dar um show digno de coliseu. A certa altura disse-lhe “Vilma, vamos fazer um shine” (shine na salsa é quando o par dança em frente um do outro de forma livre até se voltar a juntar) e assim fizemos e começamos a cortejar-nos. Tive a brilhante ideia de fazer um Huck com a perna terminado em flecha. Vão ter que imaginar porque não consigo explicar melhor que isto. Mas eu tinha um casaco comprido, pormenor que me tinha esquecido completamente e ao fazer o tal “gancho”. O salto prendeu-se no casaco e comecei em estilo espargata a cair até cair por completo no chão num coliseu completamente cheio. Deu-se um milésima de segundo de silêncio que na minha cabeça pareceu umas horas de humilhação. Mantive a pouse e levantei-me como se nada tivesse acontecido e roxa como uma ameixa dancei mais um segundo para disfarçar e fingir que não tinha ficado afectada e airosamente começámo-nos a recolher-nos para trás.

Mais o mais vez o cantor que era um excelente animador, mandou parar a música. “Para todo!!” e chamou-me para meio do palco, junto a si. Eu ainda estava a tremer mas a fingir que nada se tinha passado e ele disse-me uma coisa que nunca mais esqueci e marcou-me para sempre e tornou-se a minha boia de salvação para as todas as minhas quedas…ou isso ou o presente que ele me deu de seguida:

“Sofia, não interessa a forma como cais na vida o que interessa é a forma como te levantas”.

Fui aplaudida de pé pelo coliseu e por isso o cantor decidiu dar-me um presente chamado Alex. Um cubano alto, forte e muito musculado para dançar comigo. pensei para comigo “é agora que vou dançar a salsa da minha vida”. Ele despiu o colete e eu o casaco e em tronco nu…homem simplesmente empernou em mim no tarraxo mais violento e sexual que dancei até hoje.

Se tinha tido as pernas a tremer da queda agora já nem as sentia. Desses longos minutos, entre gemidos que ele me dava ao ouvido, os apertões no braço, eu a rir do pânico, o publico a rir e a batir palmas e algumas meninas a morrer de inveja, só consegui ouvi uma voz na 1ª fila da sala que gritava!!! “Sofia estamos a gravar tudo!!!!!” ….era o meu pai….

Bem a lição que se tira daqui em tom de brincadeira e de uma situação que ninguém quer ter , porque ninguém gosta de cair, seja na rua, em casa ou das decisões que toma é que a forma como nos levantamos, como lidamos com a situação e continuamos o nosso caminho é que realmente interessa.

É claro que não é fácil lidar com o que os outros viram e uma queda está sempre associado a uma fraqueza, falha, humilhação, ou embaraço mas que todos em algum momento da nossa vida iremos experiênciar, mais vale saber como continuar. Levantar e sacudir a poeira

Quem sabe um dia conto-vos como cai no Centro Comercial Alegro de cara no chão…ai foi sem aplausos e sem Alex, foi mesmos a tentar levantar-me e a apanhar o mais depressa possível tudo que a mala tinha e que ficou espalhado pelo centro.

Beijinhos enormes e força nas vossas quedas. Eu ontem cai, mas já me levantei e irei faze-lo sempre

sejam felizes e sejam mais humanos

Sofia