icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Como Lidar com a Dor

Depois do texto Ninguém está livre de Sofrer, achei que era importante e pertinente escrever sobre como lidar com a dor.

Não é tarefa fácil e neste momento que se vêem quem são os valentes que se levantam mais depressa. Mais depressa, até do que a queda em si.

Mas levantar depressa não  significa que não doa ou que não custe o importante é saber até que ponto é que as feridas foram bem curadas, o pó bem sacudido para que não haja quebras durante a viagem ou que se dêem passos para trás quando a viagem já vai no meio.

Alias pegando numa situação minha pessoal de há uns anos atrás, após ter caído no palco no Coliseu num espectáculo de salsa em que os músicos convidavam pessoas do publico a juntarem-se a eles. O vocalisfa chamou-me ao centro (coisa que eu rezava para que não acontecesse pois só queria desaparecer) e disse “Não interessa a forma como cais o importante é a forma como te levantas”

Foi uma lição de vida que uso para tudo.

Nas minhas consultas de Coach noto que a maior parte dos meus pacientes cultiva a dor e mantém-na por mais tempo que necessário. E isso é um mal muito comum:

Evitar:

  • Músicas lamechas que só vão dar depré e ajudar a ficar ainda mais triste. Coloquem uma música animada pois é preciso contrariar a mente que quer sofrer e deixar o corpo apanhar o ritmo
  • Falar a toda a hora do tema que vos faz sofrer. Se não aprenderem nada com o que dizem ou com as pessoas com que conversam, pois só estão numa de necessidade de desabafar, então é melhor não dizer nada, pois vão estar a mexer no assunto a toda a hora. Vão acabar por fartar os vossos amigos e a vossa cabeça vai estar sempre a pensar no tema.
  • Longe da vista, longe do coração. O que os olhos não vêm o coração não sente. Não preciso explicar mais nada certo. Eu recomendo o bloqueio imediato nas redes sociais e acabam por bloquear na mente também.

O que Fazer:

  • Tentem aliviar a mente com meditação. Sentem-se de forma confortável, respirem e Projectem imagens bonitas, as vossas ambições e desejos. Tentem imaginar o vosso estado feliz, ou o que vos  faria feliz naquele momento
  • Procurem dentro do vosso coração motivos para sorrirem.
  • Leiam histórias de superação e inspirem-se
  • Dêem-se um prazo para sofrer (faço isso imensas vezes e ajuda-me imenso
  • Pesem a situação e  vejam se não estão a fazer uma tempestade num copo de água.

Espero ter ajudado e prometo que alguns casos irá ajudar muito a encontrarem paz no vosso coração

Beijinhos e um excelente fim-de-semana

Sofia

Cropped shot of an unrecognizable senior man holding his chest in pain
Cropped shot of an unrecognizable senior man holding his chest in pain

Ninguém Está Livre de Sofrer

Ninguém está livre de ser enganado, manipulado ou traído.

Assim como ninguém está livre de se sentir uma merda quando isso acontece. Ou Perdido, sozinho, assustado, vazio, zangado, humilhado, baralhado e traído.

Ninguém está preparado para estar com alguém que não cumpra os principais valores numa relação (seja ela amorosa, amigável, familiar ou profissional) princípios, respeito, fidelidade, sinceridade, honestidade, cumplicidade, dignidade.

Aprendemos com a vida que devemos valorizar quem nos ama, quem nos apoia, quem nos atrai, quem nos admira, quem trabalha para nós, quem tem o mesmo sangue, quem conhecemos. Se não o fizermos iremos estar a desrespeitar os sentimentos e funções dessa pessoa assim como a desrespeitar quem somos como indivíduos.

Se acham que isto só acontece aos fracos, estão muito enganados. Como disse no inicio, ninguém está livre de sofrer um desgosto, uma desilusão, uma apunhalada pelas costas. Basta alguém confiar ou abrir o seu coração que se torna cego, iludido, crente, apaixonado, vulnerável.

E se acham que sofrer não é para todos, enganam-se, a dor depende muito do nosso estado entrega e do nível da maldade que nos praticaram. Até porque quando há entrega não ha rede de segurança e quando o voo é muito grande a queda é maior ainda.

Espero que pessoas que sofram saibam colocar um fim rápido a essa dor e que em breve estejam já a erguer-se e a recuperar

Escrevo sobre como lidar com a dor daqui a pouco

Beijinhos

Sofia

 

Bons Sonhos e Até Amanhã

Mesmo, mesmo, antes de dormirem escrevam num bloquinho (que guardem junto à cabeceira)

3 agradecimentos relacionados com o dia que passou

3 pedidos para o dia de amanhã.

Podem escrever o que quiserem. O conselho que vos dou é que sejam genuínos e inteligentes nos pedidos.

No meu caso, peço determinação, coragem, alegria, foco, organização, porque são temas que considero importantes para o meu dia-a-dia.

Esses pedidos são as ultimas coisas que faço antes de adormecer e acredito que fiquem bem gravados na minha cabeça até ao dia seguinte.

Uma boa forma de vocês “manipularem” e “controlarem” a vossa mente.

Experimentem e depois digam-me se sentem diferença

Beijinhos e Bons Sonhos

Sofia

Shiuuu…Só Faço Isto Porque te Amo e tu me Provocas

Eles eram felizes e tinha tudo para dar certo.

Um dia ele sentiu ciumes dela e pediu-lhe para trocar de roupa. Disse-lhe que estava demasiado provocante para ir à rua.

Mesmo contrariada ela obedeceu sentido a insegurança dele como uma prova de amor. Estranhou tal pedido, pois nunca o havia feito antes, mas não lhe fez perguntas.

Dias depois, de forma mais agressiva e impaciente ele voltou a dizer-lhe para mudar de roupa, mas desta vez ele não pediu, ele ordenou.

Em tom de ameaça proibi-a de se vestir como costumava. Libertou um ódio que ela desconhecia existir dentro dele. Perguntou-lhe que homens ela via e se gostava de os provocar. Se eles se metiam com ela e se ela dava conversa. O tom foi piorando e as perguntas eram pesadas e injustas. Apesar das respostas sinceras, ele provocava-a com a contradições. Não havia nada que ela dissesse que ele via coisa de forma contrária.

Foram para a cama e fizeram amor, mas ela não queria, estava baralhada e magoada, mas ele disse-lhe que era uma prova de amor. “Preocupo-me porque te amo e não te quero perder”.

Na manhã seguinte ele pediu para ver o seu telefone e ler as mensagens, ela deu-lhe. Desconhecia aquela pessoa “quem era aquele homem”. Foi trabalhar triste, assustada e com medo. Naquele dia passou-o sozinha apesar dos convites dos colegas para tomar café, almoçarem. Não queria estar com ninguém porque os recentes episódios não lhe saiam da cabeça.

Seu marido ligou-lhe milhares de vezes durante aquele dia e envio outras mil mensagens. Disse-lhe para ela ir para casa depois do trabalho. Sinceramente ela nem tinha forças nem vontade para ir ao ginásio.

Foi assustada e sem saber para o que ia. Ele mal lhe falou e era agressivo no olhar e nas respostas.

O silencio era horrível naquela casa, mas mesmo assim ela tentava ser carinhosa com ele e perguntava-se “O que será que fiz de errado para ele estar assim?”

No dia seguinte durante o jantar ela recebeu uma mensagem de uma amiga a perguntar se queria ir jantar com ela.  Ele arrancou-lhe o telefone da mão e respondeu por ela “Não posso”. Ela estava incrédula e perguntou-lhe “porque fizeste isso?” ao que ele respondeu “não quero te voltes a dar com essa mulher, é uma péssima influência para ti. Deve ser por causa dela que te andas a fazer a homens a pareces uma puta pela forma que te vestes!”

A discussão começou, entre berros, ameaças, mentiras, contradições, pedidos de desculpas.

Ela tentava justificar-se, explicar-lhe, mostrar-lhe a verdade, mas ele estava cego, obcecado. Ela chorava e implorava-lhe para parar, mas ele estava possuído. Entre choros descontrolados, ela ajoelhou-se, agarrou-lhe na perna e disse “eu só te amo a ti” e ele levantou a mão com toda a força e deu-lhe uma estalada na cara “Cala-te, se me amasses não me farias sentir assim, não me humilhavas, nem me enganavas”. Ela ficou estendida com as marcas dos seus dedos tão perdida e sem chão.

Chorou até de manhã e acordou com a cara tão pisada como o seu ego. Não foi trabalhar nesse dia, nem nos que se seguiram. Alias nem saiu de casa. Sua rotina passou a ser chorar, ter medo, isolar-se e tentar perceber o que se passava na sua vida e que homem era aquele.

A relação era vivida nos extremos entre o odeio-te e o te amo como nunca amei ninguém. Entre as noites de amor depois de múltiplos safanões, murros e estaladas. Ela já não sabia quem era, o que sentia, o que era verdade ou um pesadelo. Culpava-se por tudo e pedia desculpa constantemente por coisas que nem tinham acontecido.

Queria fugir, mas para onde? Estava sem trabalhar e nem tinha dinheiro para tal. Tinha vergonha de contar e ninguém acreditar, ou saberia lá ela o que contar, até porque ele lhe batia porque ela o provocava, apenas pelo simples facto de estar viva, ali, com ele.

Pensou mil vezes ir à policia mas contar o quê? e depois voltava para casa, para ele com uma denuncia feita, uma ameaça, um processo aberto e uma humilhação pública.

Ele continuava a dizer que a amava e fazia tudo por amor e que ele queria mudar e queria acreditar que ele iria mudar…perguntava-se baixinha, escondida na casa-de-banho para ele não a encontrar “Ele vai mudar não vai?!”

Mas ela mudou. Para ela, para a vida, para da família, para os amigos. Já não era a mesma pessoa, já não sorria e o brilho dos olhos se tinham transformado em nódoas negras, em berros, em desespero, em medo constante e uma ansiedade angustiante.

Ela quis acreditar que tudo podia ser diferente, que tudo iria voltar a ser como dantes. Mas afinal quando começou tudo isto?! Quem eram eles? o que tinha sido sonho ou realidade?

Infelizmente esta é a realidade de milhares de mulheres que um dia apaixonadas e ao engano, começaram uma vida de inferno junto do homem que escolheram ser felizes para sempre.

Se estiverem numa relação assim, saiam, fujam peçam ajuda, sejam inteligentes na forma como lidam com a situação e protejam-se. O problema é que com a vulnerabilidade e baixa auto-estima a vitima não consegue pensar nem ser manipuladora da situação, apenas e vitima. O desconhecido, o medo de viver sem esta pessoa é tão grande, que nem conseguem ver a luz ao fundo do túnel. Estão completamente presas na teia, até ao fim, até que a morte muitas vezes os separe.

Beijinhos e muita força

Sofia

PS. Esta história não é minha. Apesar de ter vivido relações doentes e desequilibradas no meu passado, ficaram-se apenas pela dor das palavras, pelas ameaças, pelo medo constante, pela inseguranças, pelo desespero, pânico e tentas mais coisas.

Apenas 1 pessoa foi fisicamente violenta comigo e foi apenas 1 vez. Uma história que um dia talvez conte. Mas hoje conto milhares de histórias que se podem estar a passar neste momento com a vossa vizinha da frente, com a colega de secretária, amiga intima, filha etc. Estejam atentos para apoiar quem precisa e atenção aos conselhos, ao pensarem que estão a ajudar, podem estar colocar a vitima numa situação muito pior. Até porque a justiça não consegue actuar facilmente nestes casos, sem provas, sem testemunhas…a vitima volta para casa com o agressor, até quem sabe para ter o seu ultimo dia de vida.

Woman being kidnapped and abused
Woman being kidnapped and abused

 

Meias de Rede

É oficial voltei às meias de rede!!!!

Foi um acaso que se tornou rotina. Um dia, daqueles em que uma mulher está super atrasada, não encontrava uma meia de vidro que não estivesse furada, ou com malha.

Em desespero e quase a colocar a hipótese de ir trabalhar sem meias com 9º na rua, avistei um pacotinho de meias de rede que sobraram da minha ultima actuação (mais fácil dançar com meias de rede, porque os sapatos não escorregam). Decidi colocar e gostei do conforto nas pernas. Eram mais quentes que as meias de vidro e mesmo não sendo brilhantes, acabam por tornar a perna mais natural e ao longe até parece que não uso meias.

O que é certo que no ultimo mês só tenho usado meias de rede. Duram muito mais, só preciso lavar e deitar fora quando fazem um buraco maior na zona dos dedos dos pés.

As que uso são nude, cor de pele, confesso que já não me entusiasmo tanto a falar das pretas, ai prefiro usar as opacas ou as meias opacas de vidro. Acho que as pretas dão um look trashy que acho piada em miúdas mais novas.

Deixo-vos aqui a dica, faço-vos o desafio de tentar voltar às meias de rede e partilharam comigo se estão felizes.

Eu só de pensar de não deito fora 100.000 collants de vidro durante um inverno já dou pulos de felicidade. Se ao menos dessem para fazer para-quedas como antigamente, mas é mais lixo que produzimos.

Beijinhos e sejam muito mas muito felizes de preferê-ncia com meias de rede

Sofia

 

Transpirante ou Não Transpirante

Lá vou puxar a guerra dos desodorizantes Transpirantes ou Não Transpirantes, mas eu tenho que partilhar uma história convosco.

Na minha cabeça, vai-se lá saber porquê, não confio dos desodorizantes que para além de darem bom cheiro ao sovaquinho, não evitem que ele transpire.

Na minha cabeça, acredito que se o corpo tem necessidade de suar, deve suar, só não deve é cheirar mal. Hoje em dia penso que já existam cirurgias muito simples para controlar o excesso de transpiração.

Então, até os dias de hoje tenho uma luta de conseguir comprar um desodorizante que seja normal, transpirante. Digo-vos que é mais fácil e rápido encontrar uma agulha no palheiro do que um desodorizante que deixe o fluxo normal correr. Uso o mesmo da Nivea há anos e até hoje tem sido perfeito.

Mas nas minhas férias da Terceira, eu esqueci-me do desodorizante e fui de urgência comprar um. Se em Lisboa é dificil encontrar o que gosto, lá foi impossivel. Então tive que comprar um anti-transpirante. Que usei até há 1 mês atrás.

Uns tempos depois comecei com uma dor acentuada debaixo dos sovacos. Não de 1 mas de ambos. Associei a um top de desporto que andava a usar que era menos cavado e mudei de top e a dor continuo até ao ponto de há 1 mês atrás fazer um caroço, de um lado e do outro. (lá em casa é tudo aos pares, não vá um sovaco ter mais destaque do que o outro).

Obviamente entrei em pânico e comecei logo preocupada com cancros da mama ou linfomas, até que me lembrei que continuava a usar o dito desodorizante anti-transpirante e parei de imediato.

Numa semana já não tinha os caroços, agora já nem sinto dor e por isso decidi partilhar convosco a minha historia para deixar-vos a pensar neste tema.

Beijinhos e cuidado

Sofiaa

 

Os Looks de Festa. Qual o Vosso Favorito?

Olá meus queridos!!!

Bom Ano!!!! Que em 2019 sejam muito felizes 🙂

Partilho hoje todos os looks que criei para a festa de Passagem do Ano! e pergunto-vos qual foi o vosso favorito?

Confesso que não consigo escolher qual gosto mais por isso peço-vos uma ajuda 🙂

Beijinhos enormes e muito obrigada por me acompanharem nestes últimos anos e espero que continuem por cá em 2019 e muitos mais

Obrigada Kerubyn pelas maravilhosas fotos que me tiraste no hotel Evolution

Beijinhos

Sofia