icon-arrowicon-facebookicon-googleplusicon-instagramicon-pinteresticon-playicon-searchicon-twittericon-youtube

Traição Durante a Gravidez

No outro dia estava a pensar nas transformações incríveis e outras bastante duras que uma mulher passa durante e depois da gravidez.

Eu nunca estive grávida por isso se enumerar, tenho a certeza que irei falhar alguma coisa. Mas deve ser um misto de felicidade por estar a gerar um filho e algumas inseguranças por a barriga estar a crescer, o peito, começar a surgir as estrias, as dores, os desconfortos, as mudanças hormonais.

O que provavelmente o que pode ser natural para uma mulher engravidar, para outras deve ser uma mudança bastante drástica e complicada.

São 9 meses de gestação, mais os meses seguintes de dar de mamar, dormir pouco, trocar fraldas. Alias um trabalho para toda a vida.

Por muito que um homem ajude nunca poderá ser comparado a todo o processo que uma mulher passa, principalmente falando de um parto que pode ser tranquilo, como muito doloroso, como ficar com uma cicatriz na barriga ou ter os fantásticos cortes…onde vocês sabem bem.

Por isso olhando para este panorama não consigo entender como é que há homens que têm a coragem (ou falta dela) de trair a sua mulher durante gravidez. É uma total traição à família, ao amor, ao respeito, inclusive ao próprio filho. O argumento de que são machos e de que têm certas necessidades não vale de nada comparado com tudo o que uma passa.

Onde fica o casal? o compromisso? os valores? o respeito? o companheirismo? Deixa-me tão triste saber que hoje em dia, a maior parte destes termos são apenas miragens nos relacionamentos. Onde há amor não pode haver traição. Tem que se saber dizer que não.

Como disse um amigo meu “sermos humanos e ter a decisão de não trair a nossa mulher é o que nos separado dos animais, caso contrário isto também seria uma selva.”… e será que não vivemos numa selva?!

Com tantos casos de infidelidades, quem está solteiro até tem medo de começar a namorar. Confiar em quem?

Beijinhos enormes e pensem mesmo nisto antes de traírem quem vocês mais gostam. Se as coisas não estão bem, tentem resolve-las, se as coisas não se resolvem…terminam-se

Beijinhos grandes e longe de mim estar a julgar alguém, mas há tantas decisões que se podem tomar, antes de se tomar a mais fácil.

Sofia

Close-up of torso of happy young pregnant model sitting on the bed and caressing her belly. Future mom expecting baby relaxing at home. Maternity concept
Close-up of torso of happy young pregnant model sitting on the bed and caressing her belly. Future mom expecting baby relaxing at home. Maternity concept

Quando Pedes Uma Opinião Arriscas-te a Ter Uma

Que mania que temos de pedir a opinião de toda a gente, sobre qualquer tema que seja.

O que acontece é que várias pessoas pessoas a opinarem sobre o mesmo tema, arriscam-se a ter várias opiniões diferentes e opiniões que não vos interessa para nada, ou opiniões que vos vão fazer desistir e o mais provável é vocês ficarem todos baralhadinhos.

Fiz isso a vida toda e o que aconteceu? é que muitas das vezes ouvi o que não queria (a maior parte), deram-me os conselhos bons mas não os melhores para mim, com o tempo comecei a ficar muito insegura sobre tudo. e porquê? porque nada das coisas que tinha decidido fazer era boas, caso contrário a quem pedia opinião dizia “acho que estás certa”…e não me recordo de ouvir isso.

Há 2 anos  fiz uma conferência em Aveiro e decidi gravar a conferencia num directo para o facebook. Pensei pedir a opinião de toda a gente antes de o fazer…mas depois decidi avançar sem dizer a ninguém “assim ninguém vai-me fazer desistir”. Então na hora, fiz o directo e foi um sucesso e ficou tudo abismado com a minha ideia, ao ponto de alguns dos profissionais presentes começarem a fazer o mesmo nas suas palestras.

Foi ai que me dei conta que talvez as decisões que tomo não são assim tão más. E o que seria se maior parte dos génios, sábios, empreendedores, milionários andassem a pedir a opinião de todos…talvez não tivessem chegado onde chegaram.

É preciso alguma loucura e segurança para se tomar algumas decisões, para se ser diferente para arriscar um negócio e até no outfit perfeito, mas se não o fizermos vamos sempre andar ao ritmo do que os outros pensam de nós.

Há que confiar no instinto e não ter medo de arriscar, até porque a queda está sempre garantida assim como o Não.  Ouvir Sim é o melhor que há, agora imaginem o que é conseguir Voar (What if I fall….What If you fly!!!).

Por isso libertem-se dessa mania e tendência de perguntar a todos o que fazer da vossa vida, dos vossos sonhos e das vossas ambições.

Dentro do vosso núcleo de amigos, família, profissionais, conhecidos, seguidores etc, vai sempre existir:

o mariquinhas que vos vai fazer desistir,

o idiota que vos vai dar milhares de ideias novas,

o gatuno que vos pode roubar a ideia,

o politico que vai estar sempre do contra,

o negativo que vai dizer que não a tudo,

o frustrado que vos vai destruí a ideia

o Velho do Restelo que não vai acreditar em nada

o romântico que vai ver flores em tudo

o abelhudo que vai contar a toda a gente

o abusado que vai querer fazer parte, mesmo sem ser convidado

o bombista que vai rebentar com tudo, mesmo antes de acontecer.

Libertem-se dessa pressão e ansiedade. Se querem opiniões tentem pedir a alguém que tenha passado pelo mesmo que passaram ou que são muito racionais. Quantas menos ouvirem melhores e sigam o vosso coração a vossa ambição e arrisquem.

Quanto deixarem de dar importância ao que os outros pensam sobre a vossa vida, vão começar a dar mais importância à vossa vida e os outros com o tempo acabam por se calar.

Beijinhos enormes e sejam felizes e corajosos

Sofiaa

 

 

 

 

O Poder da Dor

Domingo, tinha tudo para ser um dia perfeito e em poucos segundos tudo mudou.

Estava atrasada como sempre. O ensaio geral da escola começava as 13h da tarde e a essa hora ainda estava na Auto-Estrada. Confiante e muito stressada tinha a certeza que tudo se iria atrasar e eu chegaria a tempo para fazer a minha parte.

Estacionar, que costuma ser fácil para mim, principalmente à porta dos sítios, estava a ser um drama. Voltas e voltas pela Av. da Liberdade, só via os outros a arranjarem lugar e eu nada, apenas o tempo a passar.

Estacionei no Parque dos Restauradores e o plano seria, “faço o ensaio de Bollywood que é a 2ª entrada, saio novamente, tiro o carro e tento estaciona-lo bem a rua, pois a actuação do La Femme é só a 19ª”. Daria imenso tempo para tudo, ainda almoçava e tirava as fotos do look pelo caminho.

Vou a correr para o Coliseu e ainda chego a mais que tempo de tudo. Aguardo pela chamada para o ensaio de Bollywood. Estava nervosa mas confiante.

O grupo sobe no palco e a música começa. Concentro-me na coreografia e em fazer os passos certos, nos tempos certos e evitar esquecer-me de um passo que tinha esquecido de fazer na véspera. Estava concentradissima a dar tudo e na minha cabeça, uma voz dizia “está tudo a correr bem”…e de repente…uma dor insuportável de algo a rasgar na barriga da perna faz-me cair….cheia de dor levanto-me e tento continuar a coreografia…mas já não consigo e volto a cair agarrada na perna.

Sai do palco e já nem conseguia colocar o pé no chão. Imensas pessoas vieram ao meu encontro para tentar entender o que me tinha acontecido. Infelizmente nem eu sabia. Tomei Voltarem, massajei a perna, estive com gelo, enfim uma emoção de dor e de angustia.

Não queria nem pensar que não iria conseguir actuar, naquela noite. Tanto trabalho, tanta dedicação, deitada ao chão por uma lesão.

Mandaram-me estar quieta com a perna para cima, coisa dificil para mim, odeio estar quieta. Para além de tudo ainda tinha a preocupação do carro estar num dos parques mais caros de Lisboa.

Tanta coisa que me passava pela cabeça e havia uma única certeza, “Logo à noite quero Dançar.

Falei com os professores das minhas coreografias e disse-lhes: “pensem já numa alternativa, caso eu não consiga dançar, mas por favor deixem-me tomar essa decisão mais em cima da hora”

Um rapaz muito simpático ofereceu-se para me ir tirar o carro do parque e fui com ele…lentamente e cheia de dores fui (tenho uma coisa que não sei se é boa ou má, mas é nunca me deitar a baixo, ou baixar os braços, ou fazer-me de coitadinha e faço um esforço enorme para fazer a minha vida como se nada fosse). Mudámos o carro e arranjámos lugar quase à porta do coliseu. Ele disse “bem és uma mulher cheia de sorte!!” e estava eu sentada ao lado dele a chorar com a perna e a alma a doer-me “cheia de sorte, really!?! rimo-nos os dois.

Ele levou-me a mala (cor-de-rosa com estrelas brancas…ficava um amor com ela confesso) e eu fiquei a tirar as minhs fotos do look do dia. A Sorrir como se nada fosse. “Quanto mais alimentas a dor, mais ela doí”

Voltei para o coliseu e finalmente sentei-me com a perna elevada e gelo.

Comecei a chorar, estava tão triste de pensar que não iria dançar. Eu que gosto tanto de tudo aquilo. Ao mesmo tempo já me estava a conformar e a pensar no plano B.  “Não danças, mas ajudas as miúdas a maquilharem-se”, “não danças e vais para casa”…então havia assim um misto de emoções dentro de mim e estava a tentar equilibrar a minha mente (mas continuava a chorar).

Enviei uma mensagem ao meu fisioterapeuta de desporto Pedro Roque. Ele já me havia ajudado com outras lesões no passado, a minha única dúvida era se ele iria ver a mensagem, era domingo de tarde e não deixa de ser um dia da família. Ele felizmente respondeu e estivemos a trocar mensagens e factos, e dores e sensações e medicamentos que teria que tomar na hora. 2 meninas lindas, a minha querida Nadine e Mafalda saíram a correr do coliseu e foram à farmácia mais perto comprar-me tudo e voltaram. Era cremes, ligaduras, comprimidos. Estava ali montado um hospital inteiro só para mim.

Entretanto aproximava-se o ensaio do meu outro grupo La Femme, calcei os saltos e percebi que de saltos altos não me doía mais, mas até me sentia mais confortável do que com o pé no chão.

Fiz de lado o ensaio geral para não atrapalhar as minhas meninas e apercebi-me que com cuidado conseguia fazer a coreigrafia.

Foi ai que me apercebi que iria conseguir fazer o espectáculo desde que tivesse muito cuidado, para não piorar. Pedi ao Pedro Nascimento (professor de Bollywood) para fazer a actuação de saltos, em vez de descalça.

O Dia foi acontecendo e as dores foram fluindo com a boa disposição. Evitei pensar na perna como um vitima ou coitadinha e tentei manter a minha boa disposição habitual. “Até agora estou bem e viva e amanhã quando for ao médico preocupo-me com o tratamento e com a cura” Hoje preocupo-me em fazer o que me estava destinado.

Em ambas as coreografias dei o meu melhor, dentro das minhas limitações, sorri, dancei, e amei.

Fui muito feliz por tantos motivos.

Foi um dia diferente e muito duro de aguentar, mas aprendi imenso com ele. Sobre as minhas capacidades, limitações, um treino para a cabeça tanto para o coração. Descobri muitas pessoas prontas a ajudarem-me e que sem elas eu não teria conseguido ultrapassar o que ultrapassei.

Obrigada por tudo. Hoje irei fazer a ecografia para saber o que realmente se passa na minha perna.

Beijinhos enormes

Sofia

Somos Todos Jazzy

Era ontem que o Coliseu ia abaixo!!!!

Mais um ano de loucura com as actuações da jazzy final do ano.

Uma escola de dança que conhece o nível, o empenho e dedicação dos seus alunos e sem medos abre uma sala de espectáculos da dimensão do coliseu! Foi simplesmente lindo!!!

São tantos os níveis emocionais que acontecem dentro de cada um de nós que torna-se dificil de explicar o que é fazer parte da Jazzy.

Foram 400 alunos que ontem actuaram as mais diferentes coreografias, estilos, musicas, e ritmos. Independente do nível de cada um, da idade, do género, da etnia, a vocação, da profissão, todos éramos o mesmo, todos somos Jazzy!

O sorriso, a alegria, a boa disposição, os nervoso miudinho, o apoio, a camaradagem foi incrível e mesmo que algumas pessoas tenham ficado frustradas com a sua performance, porque não correu como era esperado, ninguém sai daquela imponente e glorioso edifício sem ter um sorriso nos lábios e um calor no coração.

Bendita a hora que esta escola abriu as suas portas e que sem dar conta toca nos corações de tantas pessoas. Dançar faz bem à alma,  fazer parte deste Mundo Jazzy faz bem a tudo. Talvez para quem não conheça não consegue entender o carinho que se sente quando se fala na Jazzy, mas garanto-vos que quem lá anda durante o ano e termina desta forma dificilmente terá palavras para descrever o que sente.

Ali ninguém se sente menos e muito menos se sente sozinho, ali Somos Todos Jazzy

Beijinhos e até para o ano e inscrevam-se para o próximo ano vocês confirmarem na pele tudo o que escrevi.

Sofia

 

 

 

 

Lute por Aquilo que Vale a Pena Lutar

Sempre odiei conflitos, desde pequena. Se pudesse não ter confrontos com pessoas era perfeito.

Discussões eu saia sempre a perder, acabava por dar razão a outra pessoa, mesmo quando ela não tinha. Era tão insegura que em minutos começava a acreditar que o erro era meu.

Com estranhos então….ui se acontecia alguma coisa, não conseguia defender-me, era incapaz de ripostar. Depois ia-me embora furiosa comigo por não ter tido coragem de dizer nada e imaginava na minha cabeça uma discussão que nunca iria acontecer.

Com o tempo  as coisas foram mudando, comecei a ter mais força, a acreditar mais em mim e a respeitar-me. Enfrentava tudo e todos e não tinha medo de lutar pelos meus interesses e pela minha honra. Só que passou a ser do 8 para o 80, quase me tornando arruaceira. Tudo era motivo para me defender, mesmo quando não estava a ser atacada. Tinha ganho algum respeito por mim, mas a insegurança continuava a estar presente e isso via-se na forma como falava e estava.

Nestes últimos anos tenho usado a balança emocional. Não deixo nada por dizer, mas peso antes o que os outros me estão a tentar dizer e o que devo dizer. Mesmo quando sou “atacada” hoje tento ser  politicamente correcta, ou ironicamente simpática. Garanto-vos que resulta e 99% das vezes cala a outra pessoa. Sou sem dúvida mais compreensiva e tento entender os motivos dos outros antes de explodir com os meus. Graças a isso vivo uma vida muito tranquilo e raramente tenho problemas e espero que assim o continue. Para além disso tento também entender se entrar numa discussão o que isso irá afectar no meu presente e futuro.

Outra coisa que aprendi a fazer é a saber esperar antes de avançar com tudo. Acalmar-me para não falar por falar ou perder a razão. Dormir sobre o assunto é perfeito para no dia seguinte agirmos com mais clareza e sofisticação.

Beijinhos e tenham uma excelente 6ª feira

Sofia

 

Está Quase, quase Perfeito

Há 1 mês atrás, farta de como estava o quarto, decidi mudar tudo o que faltava e ter finalmente o espaço com que sempre sonhará.

Ainda não está terminado, mas já adoro tanto que penso “como foi possível ter esperado tanto por esta mudança”.

Mas vejam as fotos para perceberem o que digo, entre o Antes e o Depois.

Ficam a faltar as luzes à volta do espelho, umas decorações na parede e será o meu quarto de sonho onde os meus sonhos irão  fluir ainda mais.

Beijinhos e aguardo os vossos comentários

Sofia

Fotos do Antes!!!

Os Depois

Parabéns Pelo Serviço ao Cliente

Ontem fiquei muito impressionada com o serviço de devoluções do IKEA e achei que devia partilhar convosco,

Quando comprei há um mês atrás, os novos moveis para o meu quarto comecei por montar o que seria mais fácil e rápido. Estava com aquele nervoso miudinho que me deixa cega e que só termina quando tudo estar tudo montado.

Quando terminei de montar todos os móveis dei conta que o módulo de gavetas não entrava por baixo do Tocador e entrei em desespero. Muito aborrecida tentei encontrar mil soluções. Colocar uns pezinhos no tocador e no banco….mas baixinha como sou ia ficar com tudo demasiado alto.

Liguei à Filipa para ela ajudar-me com uma solução. “O IKEA troca móveis montados, tenta ir com o teu e pode ser que ajude”.

Ontem, a quase 1 mês de ter comprado os móveis meti a muito custo no carro (porque pesava bastante) e às 22h fui ao IKEA de Alfragide.

A essa hora claro que nunca tem ninguem e fui atendita de imediato. Muito a medo e renitente e mesmo a ver que teria que voltar para trás, dei mil explicações à senhora. Porquê queria devolver, o que tinha acontecido, porquê demorei tanto tempo para trocar, etc.

A senhora muito simpática e sorridente disse “Nao faz mal, nós trocamos, até 1 ano. Só que devolvemos o dinheiro para um Cartão Presente, pode ser?”. Tem a factura?

Passei-lhe um molho de papeis que correspondia à compra dos móveis e ela diz “desculpe, mas nesta factura não se encontra este móvel”…

Morri 3 vezes um bocadinho “Bolas Sofia só tu!”.

Ela disse não faz mal. Se tinha colocado o número de contribuinte na factura, eu procuro aqui no sistema.

Nem conseguia falar de tão admirada que estava. Em minutos tinha o móvel trocado, o meu dinheiro num cartão presente, pronto a ser gasto em compras futuras (não durou muito, porque fui comprar um edredon).

Melhor que isto, só se eles me tivessem carregado e montado os Móveis…sem cobrar 🙂

Obrigada e que mais empresas sigam este exemplo

Beijinhos grandes e sejam felizes

Sofia

No Silêncio

Este fim-de-semana estive sozinha nos 3 dias de NOS Alive
Sozinha, tive tempo para observar as pessoas.

De entender quem se estava realmente a divertir, apaixonado, quem estava farto da companhia do outro, os falsos que se fazem de amigo só porque dá jeito, dos que um dia dizem uma coisa pela frente mas nas costas a música é outra, etc

São nestes momentos sozinha, rodeada de milhares de pessoas que me apercebo que cada vez menos me enquadro, sinto que não faço parte e talvez porque não queira fazer parte.


Nestes últimos anos, escolhi ter uma vida simples, rodeada pela minha família, por aqueles que me querem bem e que gostam realmente de mim e dos meus adoráveis animais (e animais no canil)
que me fazem bem e feliz, Fartei-me de pessoas superficiais, dos sorrisos amarelos, dos brilhantes falsos, das marcas boas nas mãos das pessoas sem valores, das injustiças do Mundo, dos maus que têm sucesso e dos bons que se matam a trabalhar e dos arrogantes a que todos se vergam.


Sozinha senti quem me queria bem e por perto. Quem me recebeu com carinho, quem me procurou companhia, quem quis estar comigo, mesmo sem termos alguma combinação. Quem conversou comigo porque realmente queria saber se estava bem e queria ouvir o que tinha para dizer.


O silencio tem uma voz que não se esquece.


Beijinhos e Boa tarde

Sofia

PS. Não pensem por 1 segundo que sou triste ou estou triste quando estou sozinha. Eu felizmente tenho imensos amigos, uma família linda, os meus animais e em vários momentos estou rodeada de pessoas, seja nos meus trabalhos, na dança, na natação, nas minhas festas e eventos.

Hoje em dia não me custa estar sozinha até porque as redes sociais fazem-nos alguma companhia. Mas realmente quando estamos sós temos mais tempo para pensar, para ouvir, para sentir, para dar e receber.

Mulheres no Poder

Hoje comecei a manhã com um pequeno-almoço muito interessante, só com mulheres que trabalham no mundo gráfico.

A ideia da Ana Paula Cecília, editora da Revista Intergráficas, era juntar algumas mulheres que ficam um “bocadinho” longe das luzes da ribalta mas que são peças essenciais numa empresa que trabalha com impressão, papel, produção e tentar entender  se no nosso Mundo e Meio as oportunidades são as mesmas que a dos homens e como é trabalhar num mundo maioritariamente masculino e um bocadinho conservador.

Mulheres de armas há em todas as indústrias, mulheres resistentes às tradições (para não dizer conservadorismos) também. Mulheres lutadores, somos todas, Mulheres que lutam por uma posição, que não tem que ser necessariamente feminista, mas que procuram um trabalho de excelência e tão capaz como de qualquer homem. Mulheres que não se comparam com os homens porque não se vêm como géneros, mas como humanos.

Todos temos queixas, seja homem, mulher, cão, gato, passarinho ou tartaruga. Nem sempre os nossos trabalhos são fáceis, mas só passam a ser impossíveis quando deixamos de lutar por eles, ou perdemos as forças ou o interesse. Até lá temos que deixar de parte as nossas inseguranças, as nossas fragilidades, os nossos medos e fazer o melhor que podemos fazer daquilo que nos compete. No nosso caminho iremos sempre encontrar pedras, umas mais fáceiis de ultrapassar, contornar, colocar de parte e outras vão durante uns tempos andar dentro do nosso sapato a incomodar, mas um dia vamos saber parar, tirar o sapato e sacudir, até ela sair!!!

Um conselho que vos dou é se não querem ser vistas como Mulheres não se comparem aos Homens. Somos uma sociedade machista (principalmente por causa das mulheres), mas se fizermos o nosso trabalho, formos persistentes, profissionais, respeitarmos os outros, mais cedo ou mais tarde iremos chegar onde queremos. Cada vez há mais mulheres de sucesso, e porquê? Porque fizeram o seu caminho sem medo e de cabeça erguida, assim como tenho a certeza que eu irei fazer o meu e vocês o vosso.

No Pequenos almoço estavam presentes umas 20 mulheres, algumas donas de gráficas, outras fornecedoras, outras parceiras, etc e nenhuma delas pareceu-me menos importante que qualquer homem que trabalhasse na empresa. Até porque todas tinham o mesmo interesse “sucesso da sua empresa = sucesso profissional = a sucesso pessoal”.

Mudem o chip e que será mais fácil todos mudarmos, inclusive a sociedade. Papel de vitima não funciona para quem quer evoluir, apenas atrai mais inseguranças, mais desafios e menos realizações. Uma coisa vocês não podem nunca esquecer…Exigir Respeito e claro respeitar os outros.

As Mulheres ainda não Conquistaram o Mundo porque ainda não decidiram o que vão levar vestido nesse dia, só por isso 😀

Sejam muito felizes e lutem por aquilo que acreditam e vão ter muito sucesso na vossa vida.

Beijinhos

Sofia

 

ASUS Leva-te ao Optimus Alive

Grandes novidades por estes lados!!!

Tenho a certeza que vão adorar saber que tenho 2 bilhete individuais para o NOS Alive dia 12 de Julho a convite da marca ASUS!

Se ganharem, espero depois que passem no stand para me darem um beijinho.

Mas vamos lá tratar do que interessa para vocês participarem o quanto antes. Até porque os 2 vencedores têm que levantar os bilhetes de quarta-feira dia 11 de Julho até 12 de Julho nas instalações da ASUS (Av. 5 de Outubro, 125 – 5ª 1050-052 LISBOA)

Como participar:

  • Atenção:Só podem participar 1 vez por perfil (homens e mulheres)
  • Os 2 vencedores devem levantar o seu bilhete na empresa ASUS (Av. 5 de Outubro, 125 – 5ª 1050-052 LISBOA)
  • passatempo começa a 10 de Julho e termina a 10 de Julho as 23h59
  • Sorteio a partir do dia 10 de Julho às 00h os nomes dos vencedores serão revelados o quanto antes e os mesmos contactos por sms

Beijinhos e Boa Sorte

Sofia